Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

PSD acusa PS de pactuar com Isaltino

O PSD acusa o PS de “estar a pactuar com alguém [Isaltino Morais] que não tem credibilidade política nem condições para continuar à frente da Câmara Municipal de Oeiras”.
18 de Setembro de 2006 às 00:00
José Amaral Lopes, presidente da secção de Algés do PSD e vereador da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa, está indignado com o PS de Oeiras por ter aceite pelouros na Câmara Municipal de Oeiras. Assim, para todos os efeitos, passou a existir uma coligação entre o PS e independentes [Isaltino]. “Durante as eleições autárquicas, o candidato do PS à Câmara de Oeiras, Emanuel Martins, teceu duras críticas a Isaltino Morais acusando-o, inclusivamente, de ter cometido ilegalidades. E agora aceita pelouros...”
Na opinião de Amaral Lopes, aceitar pelouros na Câmara de Oeiras é aceitar a política de Isaltino Morais, pois as competências dos vereadores são delegadas pelo presidente da Câmara. “Com este tipo de atitudes, o PS de Oeiras dá uma machadada numa relação de confiança entre o eleito e o eleitor, esquecendo-se de que para servir os interesses do concelho a oposição tem um papel”, diz o vereador da Câmara de Lisboa, sublinhando que o que está em causa “não é uma matéria do foro judicial, mas política”.
Amaral Lopes recorda que os sociais-democratas de Oeiras, que apoiaram Teresa Zambujo, mesmo durante a campanha eleitoral “nunca se substituíram aos tribunais, ao contrário dos socialistas de Oeiras, e em particular o seu presidente, Emanuel Fernandes, que se apressou a condenar Isaltino Morais considerando um absurdo ele candidatar-se à Câmara, quando ainda era apenas suspeito de prática de ilegalidades”.
“Nessa altura, Isaltino era apenas suspeito de prática de ilegalidades e, por essa razão, deixou o Governo dizendo que não tinha condições para continuar. Agora a sua situação piorou, pois passou a arguido e foi acusado. E o que fez o PS de Oeiras e o seu líder, Emanuel Martins? Dá o dito por não dito. Merece ser credível nas próximas eleições?” Questiona Amaral Lopes.
Ver comentários