Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

PSD compara Portugal à Grécia

O vice-presidente do PSD Diogo Leite Campos qualificou esta sexta-feira de "estagnação" o crescimento de 0,2 por cento da economia e defendeu que, caso a situação se mantenha, a "desconfiança" que existe face à Grécia vai "instalar-se" em relação a Portugal.
13 de Agosto de 2010 às 13:01

Leite Campos sublinhou que o país deverá preparar-se para "ataques" à banca e à dívida pública externa.

"A desconfiança em relação à Grécia, se isto continua assim, vai-se instalar em relação a nós. normal que se instale a desconfiança perante um membro mais fraco, infelizmente lanterna vermelha, de uma equipa que está a crescer", afirmou Leite Campos, na sede do PSD, em Lisboa.

"A Europa está a crescer, países mais sólidos financeiramente que estão a crescer. Dos 27 da União Europeia, 23 estão a crescer mais do que nós. Nós estamos ao lado da Espanha e temos dois abaixo, a Grécia e a Letónia", argumentou. ´

O dirigente social democrata respondia a uma pergunta sobre se este crescimento teria associado necessariamente um ataque especulativo à moeda.

A economia portuguesa abrandou o ritmo mas continuou a crescer no segundo trimestre, subindo 0,2 por cento face aos três primeiros meses do ano, e 1,4 por cento face ao mesmo período de 2009, indicou hoje o INE.

"A economia portuguesa voltou a entrar em estagnação, ou seja, não cresce. O não crescimento da economia portuguesa significa nomeadamente que não haverá mais emprego. Portanto, os 600 mil portugueses que estão desempregados não encontrarão emprego a curto prazo", argumentou.

Este nível de crescimento significa igualmente, defendeu, que "Portugal vai estar cada vez mais sob o ataque dos mercados internacionais porque os mercados estão cada vez mais convencidos de que os problemas da economia portuguesa são problemas estruturais que só se conseguem ultrapassar com um desenvolvimento acentuado, o que não está a acontecer".

Ver comentários