Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
4

Quem vota a favor, contra e quem se abstém no Orçamento? Conheça o sentido de voto dos partidos

Chumbo do documento é hipótese em cima da mesa após Bloco e PCP terem anunciado votos contra.
Correio da Manhã 25 de Outubro de 2021 às 10:48
Assembleia da República
Assembleia da República FOTO: Nuno André Ferreira
O Orçamento do Estado para 2022 é votado na generalidade esta quarta-feira. Os partidos encontram-se no impasse e não é certo que o documento seja aprovado, sendo o chumbo uma possibilidade bastante forte em cima da mesa. 

O Governo vira-se para o Bloco de Esquerda e PCP numa tentativa de conseguir a aprovação, no entando, a esquerda não está muito convencida e o resultado final pode mesmo ser o chumbo. 

Alguns dos partidos já apresentaram o seu sentido de voto. 

O Bloco de Esquerda anunciou este domingo que, caso o Governo permaneça intransigente em relação às nove propostas dos bloquistas, o BE vai votar contra o documento por apresentar medidas que a esquerda considera insuficientes. 

A deputada não inscrita Joacine Katar Moreira anunciou esta segunda-feira que se vai abster na votação na generalidade para o Orçamento do Estado de 2022. A deputada anunciou a decisão em entrevista à TSF. 

Também a deputada não inscrita Cristina Rodrigues anunciou que se vai abster na votação na generalidade, considerando ser esse "o voto responsável" e aguardando acolhimento de novas propostas na especialidade.

O PAN anunciou esta segunda-feira que se vai abster. 

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, anunciou que vai votar contra o documento.

Feitas as contas, e se as intenções de voto se verificarem esta quarta-feira, o Orçamento apresentado pelo Governo deverá ser chumbado na generalidade. 

O que acontece se o Orçamento do Estado para 2022 chumbar?
O Executivo poderia continuar a governar, mas em duodécimos. Ou seja, usaria o Orçamento do ano anterior, mas não teria acesso aos fundos europeus. Marcelo afastou este cenário e colocou a hipótese de umas eleições legislativas antecipadas que seriam marcadas para janeiro. 
Ver comentários