Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
4

SAMPAIO AVISA OS EUA

O Tratado Constitucional e a relação da Europa com os EUA continuam a dominar a visita de Estado do Presidente da República a Itália e ao Vaticano.
11 de Novembro de 2004 às 00:00
Ontem, depois da cerimónia protocolar de deposição de uma coroa de flores no ‘Altare della Patria’, de uma visita ao Coliseu e de um encontro com o primeiro-ministro italiano, Sílvio Berlusconi, Jorge Sampaio referiu-se à importância “ímpar das relações transatlânticas” e considerou os EUA “um aliado inestimável da Europa” no quadro da ONU.
As palavras do Presidente foram proferidas durante uma conferência subordinada ao tema ‘A Europa em Movimento: Novas Relações de vizinhança/Questões e Desafios’, que decorreu ao fim do dia na Câmara dos Deputados, no Palácio de Montecitório. Apesar de ainda ter esperança numa viragem da política externa americana, Jorge Sampaio alertou para o facto de uma parceria privilegiada com os EUA “não significar coincidência necessária de todos os pontos de vista nem partilha total de interesses e valores”.
LEGALIDADE INTERNACIONAL
Para o Presidente português, “o importante é que tudo se passe no quadro da escrupulosa aplicação dos princípios de legalidade internacional”. Uma afirmação que pode ser lida como um claro alerta para uma tendência unilateralista (nomeadamente dos Estados Unidos) perante o “melindre da actual situação internacional, marcada por inúmeros focos de conflito”, dos quais se destaca a situação no Iraque, o Afeganistão, o Kosovo e, naturalmente, o conflito israelo-palestiniano.
Ainda assim, e apesar de toda a instabilidade internacional, as inúmeras incertezas, os atritos e tensões que “por vezes minam o clima de confiança” entre os Estados-membros da União Europeia, Jorge Sampaio disse “permanecer confiante quanto ao futuro” do projecto europeu.
Isto porque, acrescentou, – “a Europa tem somado vitórias”, como, por exemplo, “o Protocolo de Quioto, a Cimeira sobre o Desenvolvimento sustentável, o processo de perdão da dívida dos países em vias de desenvolvimento ou ainda o Tribunal Penal Internacional”. Na opinião de Sampaio, o problema da UE é a falta de uma “visão estratégica do seu papel no mundo”.
Mais tarde, talvez para compensar o facto de não ter havido declarações no final do encontro com Sílvio Berlusconi, Sampaio explicou que a reunião correu muito bem, porque “há uma grande vontade de reforçar as relações bilaterais a todos os níveis e também aquilo que significa o empenhamento europeu dos dois países”. Disse ainda que foi discutida a Estratégia de Lisboa, “no sentido de ser um factor de crescimento, uma vez que o Pacto de Estabilidade é também um pacto de crescimento”.
AMORIM CONTRA CAPELINHAS
O segundo dia de visita de Jorge Sampaio a Itália começou bem cedo com um pequeno-almoço que ofereceu ao presidente da Cofindústria, Luca de Montezemolo, que é também o presidente da Ferrari. Fundada em 1910, a Cofindústria reagrupa mais de 117 mil empresas italianas de todas as dimensões. É, em grande parte, responsável pelo sucesso económico de Itália.
O Presidente convidou também para o pequeno almoço Murteira Nabo, presidente da COTEC Portugal; Ricardo Salgado, presidente do Grupo BES; Américo Amorim, presidente do grupo Amorim SGPS; e, naturalmente, o presidente do ICEP, Diogo Tavares. Américo Amorim descreveu o encontro com Montezemolo como “uma aula de rigor e disciplina”, defendendo que os empresários portugueses deviam seguir o exemplo da Cofindústria, “pois não é possível haver tantas associações”. Como alerta Amorimafirmou que “deviam deixar as ideias das capelinhas (…) de todos querem ser presidentes de associações. A fragmentação acaba por reduzir a nossa capacidade de exigência”.
CURIOSIDADES
LISBOA
A Estratégia de Lisboa foi discutida entre Sampaio e Berlusconi. O presidente português e o governante italiano sublinharam o papel da mesma como factor de crescimento da União Europeia. A chamada Estratégia de Lisboa foi mesmo descrita como elemento indispensável à qualifi-cação da capacidade produtiva europeia.
SEGURANÇA
Com excepção de Jorge Sampaio, poucos foram os portugueses que puderam vero primeiro-ministro italiano. Também conhecido por “Il Cavallieri”, Silvio Berlusconi tem uma obsessão com a segurança. É que, além de governante, Silvio Berlusconi é um magnata da comunicação social e proprietário do AC MIlan.
FINTAS
O primeiro -ministro italiano esteve ontem de mau humor. Apesar da maioria parlamentar, o Orçamento de Estado (OE) foi chumbado com uma finta. Vários deputados da maioria faltaram, mas o OE só foi posto à votação depois da saída de 20 deputados da oposição. Só que, chegado o voto, estes voltaram.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)