Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
7

Seguro critica "subserviência" do Governo à chanceler alemã

O secretário-geral do PS criticou hoje a "subserviência" do Governo português face à chanceler germânica, Ângela Merkel, e defendeu que a Alemanha beneficia da "desgraça" dos países periféricos por não haver mutualização da dívida.
26 de Maio de 2012 às 13:16
António José Seguro, Ângela Merkel, Governo
António José Seguro, Ângela Merkel, Governo FOTO: Reuters

António José Seguro falava na reunião da Comissão Nacional do PS, na Nazaré, num discurso em que defendeu a possibilidade de haver um programa comunitário de investimento na ordem dos 100 mil milhões de euros, 40 mil milhões por aplicação de metade do valor dos fundos desaproveitados e 60 mil milhões com a aplicação da nova taxa sobre transacções financeiras.

Na sua intervenção, o secretário-geral do PS fez uma defesa cerrada sobre a necessidade "vital" de haver um programa europeu de investimento em projectos e da necessidade de serem criadas euro obrigações.

"Se mutualizarmos a dívida, isso significa financiamento para o Estado a preços mais baixos, significa menos défice e menos sacrifícios para as empresas e famílias. Não faz sentido sermos membros de uma União Económica e Monetária e haver países como a Alemanha que se financiam nos mercados a menos de um por cento, como aconteceu esta semana, e outros países como Portugal financiarem-se a cinco, seis, sete oito ou nove por cento", disse.

Neste contexto, Seguro criticou este desequilíbrio entre Estados-membros da União Europeia e tirou uma conclusão.

"Os países como a Alemanha que se financiam a menos de um por cento estão a beneficiar daquilo que é a desgraça dos outros países", declarou, embora ressalvando a seguir não desejar que "nenhum outro povo venha resolver os problemas" de Portugal.

Porém, o secretário-geral do PS exigiu "solidariedade" no funcionamento da União Económica e Monetária e criticou a actuação europeia do Governo.

"Este Governo, em relação à Europa, só tem um comportamento: Sim senhora Merkel, faça favor de dizer senhora Merkel. Não é esse o comportamento do PS", acentuou o líder socialista, contrapondo que o seu partido "não recebe ordens".

"Apesar de estarmos na oposição temos iniciativa, temos propostas e lutamos pelas nossas ideias", declarou, num discurso em que se congratulou com a perspectiva do PS estar agora cada vez menos sozinho em defesa da existência de um a adenda sobre crescimento e emprego ao Tratado Orçamental da União Europeia.

António José Seguro Ângela Merkel Governo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)