Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
7

Seguro diz que a sua estratégia está a dar bons resultados

O secretário-geral do PS deixou hoje recados de carácter interno, defendendo que a sua estratégia está a resultar e que há agora maior adesão dos portugueses, num discurso em que definiu o desemprego como a luta prioritária.
26 de Maio de 2012 às 15:46
António José Seguro, PS
António José Seguro, PS FOTO: Reuters

António José Seguro falava na Comissão Nacional do PS, a reunião mais curta de sempre, que durou cerca de três horas e da qual estiveram ausentes figuras socialistas da era José Sócrates, como o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, o candidato derrotado no último congresso do PS, Francisco Assis, e o ex-ministro da Presidência Pedro Silva Pereira.

No congresso de Setembro, quando assumiu a liderança do PS, António José Seguro disse que tinham pela frente "uma maratona" até às próximas eleições legislativas de 2015.

Hoje, perante a Comissão Nacional do PS, disse que percorreu já "uma boa parte da maratona, mas que ainda faltam três anos para o objectivo final".

"Sinto que há uma maior adesão dos portugueses face à acção e às propostas do PS. Desde essa altura que defini que exerceria uma oposição em nome do interesse nacional e que isso obrigaria a firmeza na defesa de valores responsáveis, positivos e construtivos, honrando os nossos compromissos", declarou.

Depois, fez uma alusão a críticas de que foi alvo nos primeiros meses da sua liderança.

"Sei que no início, alguns até entre nós, duvidaram desta estratégia e estavam mais atentos àquilo que era o normal comportamento de uma oposição tradicional no país - não estamos no Governo, estamos contra -, mas essa não é a nossa forma de actuar", advertiu.

Seguro contrapôs que recusa a "oposição do quanto pior melhor, a oposição do protesto ou do bota-abaixo", porque o PS "é um partido que ambiciona voltar a governar Portugal".

"Sinto que os portugueses estão mais próximos do PS e isso acontece porque o PS também está mais próximo dos portugueses, dá voz aos seus problemas e apresenta soluções concretas", acrescentou.

António José Seguro defendeu mesmo que a última semana, na qual o PS viu viabilizado pela maioria PSD/CDS uma resolução sobre crescimento e emprego, foi uma das melhores da sua liderança no plano político.

"Desde o congresso de Setembro, não houve uma semana em que tenha sido tão evidente a clara relevância da estratégia do PS. Digo mesmo que, desde o congresso, não houve uma semana em que tenha sido tão visível a estratégia, a postura e o sentido de responsabilidade do PS. Não foi depois das eleições presidenciais em França que descobrimos que a saída para a crise deveria ter como prioridade o emprego e o crescimento, porque dizemos isso desde Julho do ano passado", defendeu.

Num discurso em que procurou traçar linhas de demarcação face ao Governo, o secretário-geral do PS apresentou uma diferença "substancial" entre si e o primeiro-ministro em termos de concepção de política social.

"Para nós o desemprego não é uma oportunidade, mas antes um drama e um flagelo social", salientou.

António José Seguro PS
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)