Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Seguro pede novo Governo e critica políticos

O secretário-geral do PS defendeu nesta segunda-feira que os desafios de Portugal requerem um Governo com uma nova legitimidade democrática, advertindo que os políticos têm de ter consciência que não podem prometer tudo a toda a gente.  
27 de Maio de 2013 às 19:53

Estas posições foram defendidas por António José Seguro numa conferência intitulada ‘Next Left e os movimentos sociais’, iniciativa que foi promovida pela Fundação Respublica e pelo Instituo Renner na Reitoria da Universidade de Lisboa.

Num discurso com cerca de 20 minutos, o líder socialista abordou a questão da tensão existente nas sociedades democráticas entre realidade e ideal - tema em que condenou as falsas promessas feitas por responsáveis políticos, considerando que essas falsas promessas mais agravam a desconfiança e a distância entre os cidadãos e os partidos.

Partindo desse mesmo ponto, António José Seguro defendeu para Portugal "um novo Governo com legitimidade democrática" renovada, argumentando que está a aumentar a distância entre a democracia real e a democracia ideal.

"As pessoas olham para os atores do processo democrático e não se reveem muitas das vezes nas atitudes e nos comportamentos, sentindo que os seus problemas estão a aumentar e que não há uma resposta das instituições. Isso leva ao afastamento dos cidadãos em relação ao processo democrático, leva à desafetação, à desilusão e desfiliação", sustentou o secretário-geral do PS.

Para o líder socialista, no caso português, os líderes políticos, estejam no Governo ou na oposição, "têm de aproximar o discurso da realidade, porque se houver afastamento, a consequência é que, no plano imediato, ou quando se chegar à função governativa, gerar-se-á desilusão e desconfiança".

"É isso que se passa em Portugal, com um Governo que prometeu precisamente o contrário do que está a fazer. Além de se colocar o problema da legitimidade do contrato eleitoral, há também problemas de desafetação, desilusão e desconfiança. Como o país tem problemas sérios que precisam de uma abordagem mais profunda do que tradicionalmente, isso convoca a necessidade de uma legitimidade democrática para poder fazer o que é necessário fazer", advogou.

Para António José Seguro, quando em campanha eleitoral se fazem promessas em que há a certeza de não se poderem cumprir, "caso do atual Governo, isso significa que se aumenta a distância entre discurso político e a realidade".

"Quem está hoje na vida pública e ambiciona governar o país, tem de possuir a consciência de que não se pode prometer tudo a toda a gente. Em cada momento, é preciso ter a noção que é preciso falar verdade, sem cortar a esperança às pessoas, mas simultaneamente propondo aquilo que é necessário ser feito para gerar confiança e para resolver os problemas concretos das pessoas", acrescentou.

antónio josé seguro ps governo políticos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)