Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

Sócrates de férias deixa leme a Costa

As férias que o primeiro-ministro, José Sócrates, se prepara para gozar, a partir de amanhã ou quarta-feira, vão obrigar o n.º 2 do Governo, o ministro de Estado e da Administração Interna, António Costa, a assumir a chefia do Governo até ao próximo dia 15 deste mês.
1 de Agosto de 2005 às 00:00
António Costa substitui José Sócrates na chefia do Governo
António Costa substitui José Sócrates na chefia do Governo FOTO: Pedro Catarino
Depois de já ter adiado o início das férias (previsto para sábado), José Sócrates tem hoje, segundo fonte do seu Gabinete, a agenda preenchida com encontros.
No seu período de férias, o primeiro-ministro irá acompanhado dos dois filhos a um safari no Quénia, uma viagem já sonhada pelo primeiro-ministro desde a campanha eleitoral das últimas legislativas.
Em contrapartida, o n.º 2 do Governo, António Costa, terminou as suas férias precisamente na passada quinta-feira, a tempo assim de substituir o primeiro-ministro na coordenação da acção governativa e do Conselho de Ministros.
Ao mesmo tempo que o primeiro--ministro gozam férias os ministros da Economia, Manuel Pinho (Algarve); da Cultura, Isabel Pires de Lima (estrangeiro); e da Defesa, Luís Amado (Açores, só a 2.ª semana). O ministro da Justiça, Alberto Costa (zona de Leiria), entra de férias, por 15 dias, no final desta semana.
Na segunda quinzena de Agosto usufruem de descanso os ministros das Obras Públicas, Mário Lino (Altura); dos Assuntos Parlamentares, Santos Silva (Algarve e Açores); e do Ambiente, Francisco Nunes Correia (Lagos); da Educação, Lurdes Rodrigues (Norte e Espanha, uma semana); e o recém-empossado ministro das Finanças, Teixeira dos Santos (Norte e Galiza). Os governantes com as pastas da Agricultura, Jaime Silva (Açores), e da Saúde, Correia de Campos (Madeira), já se encontram de férias desde a última semana de Julho, regressando a funções no início da próxima semana.
Sem férias marcadas encontram--se os ministros da Ciência, Mariano Gago, e do Trabalho e Solidariedade Social, Vieira da Silva, neste caso porque, segundo o assessor, “prefere trabalhar bem as grandes alterações para a Segurança Social no Orçamento de Estado de 2006”.
FREITAS VAI FICAR POR PORTUGAL
O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), Freitas do Amaral, não tem ainda a garantia de que possa vir a gozar férias de Verão. Certo é que caso venha a gozar de alguns dias de descanso, o ministro disfrutá-los-á em Portugal. Freitas do Amaral tem as férias condicionadas por causa da queda que sofreu num quarto de hotel, em Bruxelas, na véspera da tomada de posse do novo ministro das Finanças, Teixeira dos Santos.
A saúde de Freitas do Amaral está ainda sob vigilância e as indicações médicas impedem-no de se ausentar do País. O ministro dos Negócios Estrangeiros tinha já agendada uma viagem de uma semana a Salzeburgo para acompanhar o Festival da Música. Mas, segundo a assessoria do Ministério, como a sua condição física “ainda não está a cem por cento”, ficou determinado que não seria “boa altura” para sair para o estrangeiro.
O ministro vai aproveitar para pôr algum trabalho em dia, uma vez que a agenda do MNE foi também condicionada pela queda.
Ver comentários