Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

Toque a rebate para Cavaco Silva

Em vésperas de o PS fechar o dossiê das presidenciais com um apoio muito contido a Manuel Alegre, eis que surgiu alguma confusão à direita. O mal-estar com a promulgação do casamento gay ditou a abertura da pesquisa de um candidato alternativo a Cavaco Silva. Mas a reacção oficial do PSD e CDS--PP não se fez esperar. Os dois partidos, que apoiaram o actual Chefe de Estado em 2006, apressaram-se ontem a reafirmar que estarão com Cavaco se ele avançar.
30 de Maio de 2010 às 00:30
Cavaco Silva está a gerar grande descontentamento entre quem é contra o casamento entre homossexuais, mas direita une-se na recandidatura
Cavaco Silva está a gerar grande descontentamento entre quem é contra o casamento entre homossexuais, mas direita une-se na recandidatura FOTO: direitos reservados

Desde históricos militantes sociais-democratas até às distritais, várias vozes se pronunciaram a defendê-lo. 'A única alternativa a Cavaco Silva é Cavaco Silva. É uma reacção de desgosto de um sector católico mais radical', respondeu Miguel Veiga, do PSD.

O presidente da distrital de Braga do PSD, Paulo Cunha, considera que não existe alternativa a Cavaco Silva. Da distrital de Lisboa, Carlos Carreiras acrescenta: 'Seria um risco total, o País prescindir de uma figura como o actual Presidente '.

Miguel Relvas, porta-voz dos sociais-democratas, afiançou: 'O PSD e o líder do PSD já afirmaram que, e se, quando o professor Cavaco Silva decidir apresentar a sua recandidatura terá o apoio claro e inequívoco do PSD'. Nuno Magalhães, porta-voz do CDS-PP, também garantiu: 'Já declarámos o nosso apoio, independentemente de concordarmos com esta ou aquela decisão'. Bagão Félix foi um dos nomes sondados, mas disse não. Santana Lopes, que já admitiu a hipótese de outra candidatura, nada mais quis dizer ontem.

A título pessoal, Bacelar Gouveia, que participou nas iniciativas a favor do referendo ao casamento gay, defendeu a candidatura de Cavaco, reconhecendo, contudo, que a promulgação do casamento entre homossexuais foi 'um erro de percurso'. Ao CM, admite que é a 'direita radical' que está na base destas movimentações e até aponta a hipótese de 'vingança' contra Cavaco Silva.  

APONTAMENTOS

PRESSÃO NOS AÇORES

Os socialistas açorianos formalizam o apoio à candidatura presidencial de Manuel Alegre na próxima semana se o PS não resolver hoje a questão.

VÍTOR RAMALHO

O líder da Federação de Setúbal, crítico do apoio a Manuel Alegre, está 'expectante' com a reunião de hoje da comissão nacional.

SEM SURPRESAS

A ideia que existe no PS é a de que hoje não haverá surpresas e que o líder do partido pedirá o apoio para Manuel Alegre.

"ACHO QUE CAVACO SILVA SE VAI RECANDIDATAR": ‘Hannah Montana’ mostrou em palco que já é crescida

Correio da Manhã –Confirma que foi sondado para concorrer às eleições presidenciais de 2011?

Bagão Félix – Tive uma abordagem para saber qual era o meu estado de espírito. É uma questão que coloquei de lado. Não se trata de recusar, mas sim de dizer que, pura e simplesmente, não está nos meus planos.

– O convite partiu da sociedade civil ou de figuras de partidos?

– Se tivesse aceitado, tinha o dever de o revelar. Como não aceitei, trata-se de uma questão de foro pessoal. Em todo o caso, posso dizer, pelo menos, que não eram partidárias.

– Uma candidatura de direita alternativa ao actual Presidente seria bom para o País?

– Se as pessoas pensam que há espaço a ocupar, não há problema, e a política é feita da expressão legítima, democrática e higiénica da diferença. Do ponto de vista da táctica eleitoral, talvez seja avisado não haver, porque corremos o risco de existir uma segunda volta de resultados mais imprevisíveis. E, nesse sentido, sabendo todos nós que o potencial candidato Cavaco Silva tem grandes hipóteses de ganhar, uma candidatura no mesmo espaço podia prejudicar esse objectivo.

– O desconforto em relação a Cavaco Silva por causa da promulgação do casamento homossexual é demasiado grande?

– Há, de facto, algum desconforto, alguma tristeza por a promulgação não ter acompanhado a base do seu eleitorado natural, com uma justificação que é muito discutível: uma questão de valores ser ultrapassada por causa de uma questão de crise conjuntural.

– Se surgisse um nome congregador, à direita, só se poderia olhar para esse nome se Cavaco Silva não se recandidatasse?

– As minhas respostas têm sempre subjacente aquilo que penso que vai acontecer e até é bom que aconteça: uma recandidatura do professor Cavaco Silva. É a minha convicção .

Ver comentários