Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
7

Três milhões do Estado financiam campanha às Europeias

Subvenções públicas são a principal fonte de financiamento de 17 partidos e coligações.
Salomé Pinto 24 de Abril de 2019 às 08:37
Costa apresentou Pedro Marques como cabeça de lista às europeias
Pedro Marques e António Costa
Paulo Rangel
Paulo Rangel
Costa apresentou Pedro Marques como cabeça de lista às europeias
Pedro Marques e António Costa
Paulo Rangel
Paulo Rangel
Costa apresentou Pedro Marques como cabeça de lista às europeias
Pedro Marques e António Costa
Paulo Rangel
Paulo Rangel
O Estado é a principal fonte de financiamento da campanha eleitoral às Europeias de 26 de maio.

Dos quase cinco milhões de euros que os 17 partidos e coligações contam gastar 3,35 milhões serão pagos pelos cofres públicos, segundo os orçamentos já entregues na Entidade das Contas e Financiamentos Políticos, que funciona junto do Tribunal Constitucional.

O PS é o partido que mais pesa nas contas do Estado, ao receber 1,15 milhões de euros. Logo a seguir está o PSD, com 790 mil euros, a CDU, com 565 mil euros, e o partido Aliança, de Pedro Santana Lopes, que espera arrecadar 350 mil euros.

Depois do Estado, são os próprios partidos que mais vão contribuir para a campanha. No total, são 877 700 euros que as várias formações políticas preveem desembolsar, com o CDS, a CDU, que junta PCP e PEV, e o PSD à cabeça.

O partido de Assunção Cristas vai contribuir com 312 mil euros, a coligação de Jerónimo de Sousa reservou 265 mil euros e o partido de Rui Rio irá gastar 100 mil euros.

A terceira fonte de financiamento passa pela angariação de fundos. Nesta campanha, os movimentos partidários que concorrem ao Parlamento Europeu contam receber cerca de 744 mil euros em donativos, a parcela mais magra dos orçamentos partidários. Mas, para a coligação Basta!, de André Ventura, é a fatia mais generosa.

A formação que junta o Partido Popular Monárquico, o Partido Cidadania e Democracia Cristã, o Chega e o movimento Democracia 21 é a campeã na angariação de receita: 400 mil euros.

Neste pódio estão ainda o Bloco de Esquerda, com 151 300,88 euros, e o PS, com 100 mil euros. Já o PSD e o CDS não inscreveram valor algum nesta rubrica.

No total, a campanha destas Europeias será mais cara em meio milhão de euros do que a anterior, de 2014. Agora, só os socialistas apresentam um orçamento acima de um milhão, quando há cinco anos também a CDU ultrapassava esse valor.

PORMENORES 
Sem subvenção estatal
O CDS, o PAN, o Basta!, o MAS e o PNR estão entre os 10 partidos que não vão receber qualquer subsídio do Estado.

Aliança ambiciosa
O partido de Santana Lopes conta receber do Estado 350 mil euros, valor idêntico ao que o Bloco arrecadou em 2014.

Estreantes
Nestas Europeias, há cinco estreias face a 2014: Nós, Cidadãos!, Iniciativa Liberal, PDR, Aliança e a coligação Basta!.
Ver comentários