Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Universidade nega irregularidade na licenciatura de Relvas

A Universidade Lusófona negou esta quarta-feira qualquer irregularidade na licenciatura do ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, garantindo que este obteve o seu grau académico tal como centenas de outros alunos desde a aplicação do Processo de Bolonha.
4 de Julho de 2012 às 21:10
Miguel Relvas terá obtido licenciatura em apenas um ano
Miguel Relvas terá obtido licenciatura em apenas um ano FOTO: Miguel A. Lopes/Lusa

O reitor da instituição, Mário Moutinho, disse à agência lusa que Miguel Relvas apresentou o dossiê com as suas habilitações, descrevendo o seu percurso profissional, e que o Conselho Científico da Lusófona o analisou e não teve dúvidas em conceder-lhe a licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais em apenas um ano.

O responsável afirmou que este procedimento é comum desde a aplicação do Processo de Bolonha - que uniformizou o ensino superior no espaço europeu -, mas escusou-se a adiantar pormenores sobre o processo de atribuição de créditos a Miguel Relvas, remetendo para o processo do aluno, que disse estar disponível para consulta.

O administrador da Universidade, Manuel Damásio, disse, por seu lado, que o Conselho Científico não teve quaisquer dúvidas sobre os dados apresentados por Miguel Relvas quando se candidatou e acrescentou que a Lusófona não impõe qualquer limite nos créditos a atribuir no processo de licenciatura por reconhecimento da competência profissional e que todos os casos são analisados individualmente.

O caso da licenciatura de Ciência Política e Relações Internacionais atribuída a Miguel Relvas em apenas um ano pela Universidade Lusófona surgiu esta semana na imprensa.

Segundo as notícias publicadas, Miguel Relvas terá entrado na Lusófona em 2006, quase dois anos depois de ter sido secretário de Estado da Administração Local no Governo de Durão barroso, tendo-lhe sido conferido o diploma em 2007, de acordo com o Processo de Bolonha.

O ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares já veio explicar que o processo de conclusão da sua licenciatura foi "encurtado por equivalências reconhecidas e homologadas pelo Conselho Científico da referida Universidade em virtude da análise curricular a que precedeu previamente".

universidade lusófona miguel relvas licenciatura ciência política relações internacionais ministro
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)