Barra Cofina

Correio da Manhã

Política

Vasco Lourenço diz que é tempo de "um estrondoso murro na mesa"

Vasco Lourenço declarou que "o exemplo vindo da Grécia e da Espanha" mostra que "outro caminho é possível".
14 de Março de 2015 às 20:22
Vasco Lourenço
Vasco Lourenço FOTO: Hugo Rainho

O presidente da Associação 25 de Abril defendeu este sábado que é tempo de dar "um estrondoso murro na mesa", numa "tripla rutura" que passa por "novas políticas, novas alianças e novas práticas de governação e de linguagem".

Vasco Lourenço recusou, aos jornalistas, falar de nomes para as eleições presidenciais, por não querer transformar o Congresso promovido pela Associação 25 de Abril, em que participaram Carvalho da Silva, Sampaio da Nóvoa e Marinho e Pinto, no lançamento de uma candidatura presidencial.

O presidente da Associação 25 de Abril defendeu, contudo, que o próximo Presidente da República deverá ser capaz de impor ao primeiro-ministro o cumprimento das promessas feitas em campanha eleitoral.

Vasco Lourenço começou a sua intervenção de encerramento do Congresso que decorreu na sexta-feira e sábado, em Lisboa, afirmando que chegou "o tempo de se dar um estrondoso murro na mesa". "A situação está madura para uma espécie de Abril do século XXI - sem fardas, mas com o legado do MFA [Movimento das Forças Armadas] bem presente na consciência de quem tem a arma do voto", afirmou.

Para Vasco Lourenço, é necessário urgentemente uma "tripla rutura que passa obrigatoriamente por novas políticas, novas alianças e novas práticas de governação e de linguagem". À saída, disse aos jornalistas que o país não pode estar "condenado ao chamado arco da governação" e que as alianças se façam sempre nesse espaço.

"Há outros partidos no terreno, quer antigos, especificamente o PCP e o BE, e há outros novos que estão a surgir. Se, como se espera, o PS for o partido maioritário e não tiver maioria absoluta, mas mesmo que tenha, deve fazer alianças, mesmo que não sejam governativas, mas alianças baseadas em políticas", afirmou.

"Já há exemplos de que isso é possível. Na Câmara de Lisboa isso foi demonstrado, na eleição do Presidente Jorge Sampaio isso foi demonstrado. Porque é que há de haver tabus de que não são possíveis outros tipos de alianças?", questionou-se.

Na sua intervenção, Vasco Lourenço afirmou que "dois partidos tornaram-se donos disto tudo - ou sozinhos, ou coligados num centrão corrupto ou, pior ainda, recorrendo a uma bengala com nome de partido, sempre pronto a partilhar a mesa do orçamento, pois para isso existe", sendo esta última referência uma alusão ao CDS-PP.

"Há 38 anos que andamos a ser governados por uma ?troika' interna que, dado o fracasso das suas políticas (sempre iguais no fundamental) já por três vezes recorreu a uma ?troika' externa - transformando Portugal num protetorado e lançando as suas populações mais frágeis, incluindo uma grande parte da classe média, para uma pobreza aviltante e/ou para a emigração", afirmou.

Vasco Lourenço declarou que "o exemplo vindo da Grécia e da Espanha" mostra que "outro caminho é possível".

Vasco Lourenço MFA Movimento das Forças Armadas Presidente da República
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)