Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
4

Vereadores contra rodovia

Os vereadores da Câmara de Lisboa rejeitam a componente rodoviária para a Terceira Travessia do Tejo. A ponte Chelas-Barreiro deve nascer para travar o fluxo de carros na cidade, defendem.
16 de Abril de 2008 às 00:30
Componente rodoviária na ponte Chelas-Barreiro gera polémica
Componente rodoviária na ponte Chelas-Barreiro gera polémica FOTO: Pedro Catarino

RAVE e LNEC apresentaram ontem ao executivo camarário o projecto para a nova ponte e adiantaram que está em aberto a possibilidade de, numa primeira fase, se avançar com a via ferroviária e só depois criar um tabuleiro para o trânsito rodoviário.

O presidente da Câmara considerou esta hipótese "interessante". António Costa já havia manifestado preocupação com o aumento de fluxo de trânsito que a nova travessia trará para Lisboa, pelo que sugeriu que parte das receitas das portagens servisse para desenvolver a rede de transportes públicos em Lisboa.

O vereador Fernando Negrão considera "mais útil" a alternativa agora apresentada pelo LNEC, porque "o que está em causa é facilitar a vida dos que não têm carro" e "evitar que Lisboa seja inundada de carros".

Opinião semelhante tem o vereador Carmona Rodrigues, para quem "Lisboa está bem servida de acessos". O ex-autarca contesta ainda a inexistência de uma Autoridade Metropolitana de Lisboa, "há muito" prometida pelo Governo. "Esta entidade é que deveria ter a competência de analisar os prós e contras desta infra-estrutura", diz. O vereador do BE, por seu turno, defende uma aposta no modo ferroviário", porque "entre a rodovia propriamente dita e os seus acessos o País poupa cerca de 700 milhões de euros", lembra Sá Fernandes.

APONTAMENTOS

MOÇÃO DE ROSETA

A vereadora Helena Roseta, dos Cidadãos por Lisboa, apresentou ontem uma moção em que propõe, entre outras, que a autarquia não prescinda de "tornar claras as dificuldades que a introdução do modo rodoviário vai trazer ao funcionamento da rede viária da capital".

FRENTE RIBEIRINHA

O executivo camarário reúne-se hoje para discutir o relatório do LNEC e para aprovar o Plano Estratégico da Frente Ribeirinha. Os vereadores terão ainda de aprovar e submeter à Assembleia Municipal o Relatório de Gestão e Demonstrações Financeiras de 2007.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)