Correio da Manhã

Incendiário libertado por excesso de prisão
Foto Pedro Noel da Luz
Foto Getty Images
Incendiário
Foto Getty Images
Incendiário
Foto Getty Images
Chama
Foto Tiago Sousa Dias
Prisão
Por Ana Palma | 01:30
  • Partilhe
Carlos Fernandes foi condenado a nove anos de prisão por incêndio florestal agravado.

Carlos Fernandes, o homem que foi condenado, no passado dia 28 de fevereiro, a nove anos de prisão por ter ateado o incêndio que deflagrou no dia 3 de setembro de 2016, na serra de Monchique e que destruiu milhares de hectares de floresta e mato, foi libertado na semana passada por excesso de prisão preventiva.

Segundo o CM conseguiu apurar, o incendiário, que se encontrava preso no Estabelecimento Prisional de Pinheiro da Cruz, foi libertado na quarta-feira passada, dia 5 de setembro. "Uma vez que a decisão ainda não transitou em julgado e a lei prevê um máximo de prisão preventiva de dois anos, teve de ser libertado", explicou ao CM fonte judicial.

A defesa de Carlos Fernandes recorreu da sentença para o Tribunal da Relação de Évora, por considerar a pena excessiva, aguardando-se ainda a decisão dos magistrados.

Carlos Fernandes, de 50 anos, barman na zona de Loulé, estava acusado de ter ateado seis fogos florestais. Segundo o coletivo que o condenou, tratou-se de "uma única resolução criminosa", razão pela qual foi condenado por um único crime de incêndio florestal agravado.

Os juízes destacaram ser "elevadíssima" a necessidade de prevenção e defenderam a necessidade de "restituir a confiança à sociedade".

Frisaram ainda que o homem agiu com conhecimento de causa, tendo admitido ter ateado os fogos aquando do primeiro interrogatório judicial, que foi reproduzido durante o julgamento.

Siga o CM no Facebook.

  • Partilhe
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE