Correio da Manhã

Pedro Dias e terrorista chefiam greve de fome na cadeia
Foto Direitos Reservados
Pedro Dias
Foto João Miguel Rodrigues
Cadeia de alta segurança de Monsanto, onde estão os presos mais perigosos
Foto João Miguel Rodrigues
Pedro Dias, triplo homicida
Foto Simulação
Pedro Dias
Por Miguel Curado | 01:30
  • Partilhe
Falta de condições da alimentação levam treze reclusos de prisão de alta segurança a aderir à ação.

A revolta cresceu no recreio da cadeia de alta segurança de Monsanto, em Lisboa. Descontentes com "as más condições da alimentação servida" e com a "redução dos tempos de visita de familiares devido à escassez de guardas", um grupo de treze reclusos entrou em greve de fome.

E elegeu dois porta-vozes: Pedro Dias, o triplo homicida de Aguiar da Beira, e Abdessalam Tazi, o marroquino, de 64 anos, suspeito de recrutar combatentes para o Daesh em Portugal.

Ao que o CM apurou, o protesto ocorreu entre os dias 17 e 27 de setembro. O grupo de reclusos participante manteve-se sempre nas respetivas celas, recusando-se a ingerir quaisquer refeições. A Pedro Dias, e ao marroquino Tazi, juntaram-se outros três reclusos mediáticos a cumprir pena em Monsanto: Fábio Cigano e ‘El Ruso’ Lohrman e José Maidana, os dois argentinos suspeitos de assaltos a carrinhas de valores.

O CM sabe que a direção da cadeia chamou, pelo menos uma vez, alguns membros deste grupo de porta-vozes dos reclusos para uma reunião. A cedência para que o protesto acabasse passou, ao que se apurou, pelo reforço de compra de leguminosas e vegetais por parte da empresa responsável pela confeção de refeições na cadeia.

Fonte oficial dos Serviços Prisionais confirmou ao CM a ocorrência do protesto, acrescentando ainda que cada um dos participantes na greve de fome "teve de preencher um boletim de comunicação de fim do protesto, alegando as respetivas razões para a aderência ao mesmo". A situação já está, segundo a mesma fonte, normalizada dentro da cadeia.

PUBLICIDADE
PORMENORES
Leguminosas
A direção da cadeia comprometeu-se a colocar à venda, na cantina da prisão de Monsanto, embalagens de leguminosas. Os reclusos que quiserem podem adquiri-las.

Agressões
Na 6ª feira, Paulo Almeida, condenado a 25 anos de prisão pelos homicídios de Alexandra Neno e Diogo Ferreira, foi agredido por outro recluso no pátio de Monsanto. Foram hospitalizados.

Violência
Dois dias depois, no domingo, ao que o CM apurou, um outro recluso de Monsanto, suspeito de ter violado um preso noutra cadeia, foi agredido com violência no pátio. Recebeu tratamento.

Siga o CM no Facebook.

  • Partilhe
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE