Correio da Manhã

Pedro Dias e terrorista chefiam greve de fome na cadeia
Foto: Direitos Reservados
Pedro Dias
Foto: João Miguel Rodrigues
Cadeia de alta segurança de Monsanto, onde estão os presos mais perigosos
Foto: João Miguel Rodrigues
Pedro Dias, triplo homicida
Foto: Simulação
Pedro Dias
Por Miguel Curado | 3 de Outubro de 2018 às 01:30
  • Partilhe
Falta de condições da alimentação levam treze reclusos de prisão de alta segurança a aderir à ação.

A revolta cresceu no recreio da cadeia de alta segurança de Monsanto, em Lisboa. Descontentes com "as más condições da alimentação servida" e com a "redução dos tempos de visita de familiares devido à escassez de guardas", um grupo de treze reclusos entrou em greve de fome.

E elegeu dois porta-vozes: Pedro Dias, o triplo homicida de Aguiar da Beira, e Abdessalam Tazi, o marroquino, de 64 anos, suspeito de recrutar combatentes para o Daesh em Portugal.

Ao que o CM apurou, o protesto ocorreu entre os dias 17 e 27 de setembro. O grupo de reclusos participante manteve-se sempre nas respetivas celas, recusando-se a ingerir quaisquer refeições. A Pedro Dias, e ao marroquino Tazi, juntaram-se outros três reclusos mediáticos a cumprir pena em Monsanto: Fábio Cigano e ‘El Ruso’ Lohrman e José Maidana, os dois argentinos suspeitos de assaltos a carrinhas de valores.

O CM sabe que a direção da cadeia chamou, pelo menos uma vez, alguns membros deste grupo de porta-vozes dos reclusos para uma reunião. A cedência para que o protesto acabasse passou, ao que se apurou, pelo reforço de compra de leguminosas e vegetais por parte da empresa responsável pela confeção de refeições na cadeia.

PUB
Fonte oficial dos Serviços Prisionais confirmou ao CM a ocorrência do protesto, acrescentando ainda que cada um dos participantes na greve de fome "teve de preencher um boletim de comunicação de fim do protesto, alegando as respetivas razões para a aderência ao mesmo". A situação já está, segundo a mesma fonte, normalizada dentro da cadeia.

PORMENORES
Leguminosas
A direção da cadeia comprometeu-se a colocar à venda, na cantina da prisão de Monsanto, embalagens de leguminosas. Os reclusos que quiserem podem adquiri-las.

Agressões
Na 6ª feira, Paulo Almeida, condenado a 25 anos de prisão pelos homicídios de Alexandra Neno e Diogo Ferreira, foi agredido por outro recluso no pátio de Monsanto. Foram hospitalizados.

Violência
Dois dias depois, no domingo, ao que o CM apurou, um outro recluso de Monsanto, suspeito de ter violado um preso noutra cadeia, foi agredido com violência no pátio. Recebeu tratamento.

Siga o CM no Facebook.

  • Partilhe
PUBLICIDADE