Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Alunos ainda sem casa com aulas a começar na Universidade do Algarve

Estão a ser pedidos 300 € mais despesas por um quarto, quando há uns anos os valores rodavam os 200 € e incluíam despesas.
Rafael Duarte 16 de Setembro de 2018 às 09:28
Universidade do Algarve
Fachada da entrada da Universidade do Algarve, Campus da Penha, em Faro
Universidade do Algarve
Fachada da entrada da Universidade do Algarve, Campus da Penha, em Faro
Universidade do Algarve
Fachada da entrada da Universidade do Algarve, Campus da Penha, em Faro
O ano letivo na Universidade do Algarve (UAlg) começa esta segunda-feira mas muitos estudantes continuam à procura de um quarto em Faro. "Cada vez há menos casas e mais alunos", explica Pedro Ornelas, presidente da Associação Académica da UAlg (AAUalg). O grande problema, diz, é que os senhorios "pedem preços absurdos".

Pedro Ornelas lamenta o "aproveitamento" do "mercado saturado" que o Algarve vive a nível imobiliário para se praticarem preços "sem pensar nos novos alunos".

O presidente da AAUAlg diz mesmo que o alojamento turístico que substituí o alojamento de estudantes. "Há uns anos havia rendas a 180 ou 200€, com despesas, neste momento estamos a falar de 300€ mais despesas", refere.

Inês Carriço vai para o 3º ano da licenciatura de Ciências da Comunicação e "todos os anos é uma loucura para encontrar casa". Este ano ficou surpreendida com o preço dos quatros e, só depois de meses de procura, encontrou um quarto mas, garante, numa casa que "não justifica o preço".

A AAUAlg tem procurado combater esta situação com a criação de um banco de alojamento mas Pedro Ornelas admite que "não tem sido fácil". Porque "não há oferta e quando há pedem rendas absurdas e não temos coragem de apresentar esses valores aos alunos".

O presidente da AAUAlg defende a necessidade de se criarem "sanções fiscais para quem abusa nos preços, benefícios fiscais para quem pratica preços justos". E diz ser "fundamental que o Governo descentralize os planos de alojamento para as Câmaras e universidades".
Ver comentários