Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Crianças vestem a pele de modelos em calendário solidário de Vila Verde

Menores surgem com brinquedos tradicionais e alertam para a importância de brincar.
Fátima Vilaça 3 de Dezembro de 2018 às 08:49
Menores dão imagem ao calendário solidário cujas vendas revertem para as lojas sociais que apoiam várias famílias
Menores dão imagem ao calendário solidário cujas vendas revertem para as lojas sociais que apoiam várias famílias
Menores dão imagem ao calendário solidário cujas vendas revertem para as lojas sociais que apoiam várias famílias
Menores dão imagem ao calendário solidário cujas vendas revertem para as lojas sociais que apoiam várias famílias
Menores dão imagem ao calendário solidário cujas vendas revertem para as lojas sociais que apoiam várias famílias
Menores dão imagem ao calendário solidário cujas vendas revertem para as lojas sociais que apoiam várias famílias
Menores dão imagem ao calendário solidário cujas vendas revertem para as lojas sociais que apoiam várias famílias
Menores dão imagem ao calendário solidário cujas vendas revertem para as lojas sociais que apoiam várias famílias
Menores dão imagem ao calendário solidário cujas vendas revertem para as lojas sociais que apoiam várias famílias
No calendário de 2018, homens e mulheres - todos funcionários da Câmara de Vila Verde - deram corpo a uma ideia que pretendia ajudar as famílias mais pobres do concelho.

A venda foi um sucesso e, por isso, a autarquia decidiu repetir a ideia. Mas os modelos escolhidos, desta vez, foram os filhos dos colaboradores do município.

Quinze crianças, todas com menos de seis anos, dão imagem a um calendário solidário e uma agenda - que, além de ajudar, visa também passar a mensagem da importância do brinquedo e do ato de brincar.

Os pequenos modelos fotográficos usam todos roupas da Namorar Portugal - uma marca registada inspirada nos lenços dos namorados - e utilizam brinquedos tradicionais, património da Casa do Brinquedo e da Brincadeira, onde decorreu a sessão fotográfica.

"Juntámos a vertente solidária à vertente didática, angariando verbas para quem mais precisa, chamando a atenção para a importância do brinquedo e do brincar", referiu a vereadora da Educação, Cultura e Ação Social de Vila Verde, Júlia Fernandes, madrinha deste projeto.

As verbas angariadas com a venda do calendário e da agenda revertem integralmente para as lojas sociais de Vila Verde, que apoiam as famílias mais vulneráveis e em risco de exclusão social. Cada calendário custa dois euros e as agendas são vendidas a sete euros e meio.

No ano passado, a iniciativa conseguiu angariar 1800 euros. Júlia Fernandes acredita que, este ano, o valor poderá ser ultrapassado. "É dinheiro que pode fazer toda a diferença para as famílias que passam por dificuldades", afirmou a vereadora.

O calendário e a agenda estão à venda na câmara municipal e em diversos locais do concelho de Vila Verde.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)