Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa

Falta de água danificou os cais, estagnou o turismo e anulou a pesca. Criticada a decisão de Madrid.
João Saramago 28 de Outubro de 2019 às 08:48
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
Espanha deixa rio Tejo a seco e causa desastre na Beira Baixa
O nível da água do rio Tejo é o mais baixo dos últimos 40 anos. É na zona entre Vila Velha de Ródão e Cedillo que se regista o pior cenário. De tal forma que afluentes do Tejo, como o Pônsul e o Sever, quase desapareceram. Onde antes corria água, vê-se agora terra seca.

Esta situação é causada pela redução drástica dos caudais decidida por Espanha. "Esta situação é injustificável. Não há nada que leve a que o Tejo, a montante da barragem de Cedillo, esteja hoje com aquele cenário desolador. E é inaceitável porque de facto os governos português e espanhol têm a obrigação de se articularem e evitarem uma situação destas", diz o presidente da Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa e da Câmara de Vila Velha de Ródão, Luís Pereira.

"Há prejuízos imediatos que têm a ver com a atividade turística, que está suspensa, com infraestruturas que estão danificadas e com a pesca que é hoje inativa", disse à Lusa.

"Aquilo que estamos a ver é o prejuízo deste território do nosso País em detrimento dos interesses das elétricas espanholas e da agricultura espanhola", acrescentou.

Por sua vez, o alcaide espanhol de Cedillo, António González Riscado, diz que há falta de transparência do seu país em relação à barragem de Cedillo. "Em vez do caudal mínimo, podiam ter deixado passar mais água", refere, dizendo que Portugal foi prejudicado.

Governo defende observação  diária dos caudais
O Governo defende um processo de "aprofundamento" da Convenção de Albufeira com Espanha capaz de garantir caudais diários nos rios transfronteiriços. Recorde-se que, em abril último, o Parlamento recomendou ao Governo a adoção de medidas que "respondam às necessidades ecológicas dos rios e seus afluentes".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)