Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Moradores de Lagos vão ter apoios financeiros para rendas

Objetivo é abranger mais classes sociais, além da população carenciada, como "professores ou enfermeiros".
Diana Santos Gomez 7 de Setembro de 2019 às 09:34
Imóveis existentes no concelho de Lagos têm preços de aluguer muito altos para os rendimentos de muitas pessoas
Algarve é uma das regiões do País com rendas menos acessíveis
Imóveis existentes no concelho de Lagos têm preços de aluguer muito altos para os rendimentos de muitas pessoas
Algarve é uma das regiões do País com rendas menos acessíveis
Imóveis existentes no concelho de Lagos têm preços de aluguer muito altos para os rendimentos de muitas pessoas
Algarve é uma das regiões do País com rendas menos acessíveis
O apoio financeiro ao arrendamento para fins habitacionais deve entrar em vigor durante o mês de novembro no concelho de Lagos. A medida integra o programa habitacional 2018-2021 mas ainda não foi definido o orçamento que lhe está destinado.

Segundo explicou ao CM Sara Coelho, vereadora da habitação e ação social, há várias pessoas que têm relatado aos serviços da autarquia "dificuldades em pagar as elevadas rendas".

O objetivo é abranger mais classes sociais, além da população carenciada, como "professores ou enfermeiros". O objetivo é "contribuir para a fixação de pessoas em Lagos" sublinhou a vereadora.

As pessoas que venham de fora do concelho podem recorrer a este apoio, tendo como condição necessária que "tenham um contrato de trabalho mínimo de um ano".

Os interessados podem candidatar-se ao programa a partir de novembro e poderão receber um apoio entre 15% e 25% do total da renda já no início do próximo ano. Mas há critérios, ou seja, no caso de uma candidatura de apenas uma pessoa, o rendimento ilíquido anual terá de ser no máximo de 25 mil euros.

Se o agregado for de duas pessoas, o rendimento limite é de 35 mil euros. Mais de duas pessoas são contabilizados cinco mil euros por cada elemento da família. "Existe alguma especulação imobiliária.

O setor público e privado devem contribuir para apoiar as pessoas", defende a vereadora. A ajuda a atribuir será válida pelo período de um ano, renovável até ao máximo de 3 anos. Em situações prioritárias de violência doméstica, famílias com crianças ou outras a avaliar, o apoio pode prolongar-se.
Lagos política autoridades locais questões sociais partidos e movimentos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)