Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Pedido de classificação da Fábrica do Inglês em Silves

Direção-Geral do Património Cultural quer atribuir a classificação de Monumento de Interesse Público.
José Carlos Eusébio 12 de Abril de 2019 às 08:13
A Fábrica do Inglês foi construída em 1893. A sua atividade de transformação de cortiça só foi interrompida em 1997
Câmara de Silves
Câmara de Silves
A Fábrica do Inglês foi construída em 1893. A sua atividade de transformação de cortiça só foi interrompida em 1997
Câmara de Silves
Câmara de Silves
A Fábrica do Inglês foi construída em 1893. A sua atividade de transformação de cortiça só foi interrompida em 1997
Câmara de Silves
Câmara de Silves
A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) publicou esta quinta-feira em Diário da República o anúncio de abertura de novo procedimento de classificação da Fábrica do Inglês, que integra o Museu da Cortiça, em Silves, como Monumento de Interesse Público.

O processo tem agora o prazo de um ano para ser concluído. No ano passado, a ultrapassagem de um prazo legal levou a que semelhante procedimento de classificação tenha caducado.

Na documentação que está na base do anúncio publicado agora pela DGPC é referido que a Fábrica do Inglês "é uma unidade industrial do século XIX, construída cerca de 1893, que, no âmbito da atividade de transformação de cortiça, laborou até 1997".

Nos tempos mais recentes, o complexo industrial foi transformado num empreendimento turístico-cultural que tinha como grande atrativo o Museu da Cortiça - em 2001, foi distinguido pelo Fórum Museológico Europeu com o prémio Micheletti para Melhor Museu Industrial da Europa.

Após a falência da sociedade Fábrica do Inglês, em 2009, o espaço foi encerrado. Posteriormente, em 2014, os edifícios foram adquiridos pela Caixa Geral de Depósitos, enquanto o grupo Nogueira ficou com o espólio do Museu da Cortiça. Atualmente, o antigo complexo fabril está encerrado, sem qualquer tipo de uso.

Refira-se que, em 2010, a Câmara de Silves classificou a Fábrica do Inglês e o espólio integrado como Imóvel de Interesse Municipal. Em 2016, a Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial solicitou a classificação do espaço com um grau de interesse nacional.

Com a abertura da classificação são definidas medidas de proteção para a Fábrica do Inglês e zona envolvente.
Ver comentários