Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Portagens só pagam 43% da Via do Infante

Autoestrada algarvia representou um encargo total para o Estado de 34 milhões de euros.
José Carlos Eusébio 6 de Novembro de 2017 às 08:44
Portagens
Portagens FOTO: Miguel Veterano
No primeiro semestre deste ano, o pagamento de portagens na Via do Infante cobriu menos de metade dos custos do Estado com a única autoestrada algarvia, segundo o boletim sobre parcerias público-privadas da Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos (UTAP). Mesmo assim, a taxa de cobertura na A22 foi a segunda maior a nível nacional, entre as ex-SCUTS.

A UTAP revela que a concessão Algarve (A22) representou encargos brutos de 34 milhões de euros, tendo sido obtidas receitas com as portagens de 14,8 milhões. Ou seja, a taxa de cobertura foi de 43%, cifrando-se o défice em 19,2 milhões. Em comparação com igual período do ano passado, os custos com a A22 aumentaram em cerca de 1,1 milhões de euros e foram conseguidos apenas mais 639 mil euros em receitas. O défice subiu cerca de 438 mil euros.

Os dados relativos aos primeiros seis meses revelam que a taxa de cobertura de encargos com o pagamento de portagens no Algarve é o segundo mais alto nas concessões rodoviárias do País, a par com a do Norte Litoral. A concessão Costa de Prata foi a que conseguiu a taxa mais elevada, cifrando-se em 49% de cobertura de custos.
Segundo o boletim trimestral de conjuntura sobre mobilidade e transportes da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve, o tráfego médio diário na Via do Infante foi de 13 718 veículos, no segundo trimestre deste ano.

Entretanto, a subconcessão Algarve Litoral, responsável pela EN125, teve encargos de 9,6 milhões, no primeiro semestre deste ano. As obras de requalificação da estrada ainda não estão terminadas.
portagens via do infante algarve
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)