Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Renda de 17 mil euros permite recuperar Ricon

Sonix muda nome à empresa falida e vai investir 350 mil euros em equipamento.
Liliana Rodrigues 27 de Março de 2018 às 08:19
Ricon
Ricon
Ricon
Ricon
Ricon
Ricon
Ricon
Ricon
Ricon
Durante seis meses, a empresa Sonix, de Barcelos, vai tentar fazer renascer a Ricon, em Ribeirão, Vila Nova de Famalicão. A têxtil, liderada por uma antiga costureira, assinou esta segunda-feira o contrato para que a falida Ricon volte a produzir calças e casacos.

Para já, 160 dos 800 ex-trabalhadores da empresa, que produzia para a Gant, foram contratados com um salário base de 600 euros. O negócio inclui a mudança de nome da empresa, mas não foi ainda divulgado.

O acordo de arrendamento das instalações da Ricon Industrial foi assinado esta segunda-feira, em Anadia, segundo o 'Jornal de Negócios', e a Sonix vai pagar 17 mil euros por mês. O contrato, rubricado pelo administrador de insolvência, Pedro Pidwell, é válido por seis meses. Em setembro, poderá ser renovado por três anos.

O CM tentou obter esclarecimentos junto da Sonix, mas tal não foi possível até ao fecho desta edição. No entanto, o administrador da Sonix, Samuel Costa, disse ao 'Jornal de Negócios' que "estão a ser concluídas algumas alterações na linha de produção" e que a têxtil barcelense - que já emprega 400 pessoas - vai fazer um investimento adicional de cerca de 350 mil euros em novos equipamentos para adaptar a empresa falida ao modelo da Sonix.

"Faremos o que estiver ao nosso alcance para assegurar o edifício e o resto dos ativos depois desse período de arrendamento", afirmou Samuel Costa.

A nova empresa quer voltar a atrair antigos clientes da Ricon, como a Gant, que decidiu acabar com todas as encomendas, precipitando a falência do grupo empresarial que atirou 800 pessoas para o desemprego.
Ver comentários