Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Risco de colapso em muralha visitada por 230 mil turistas

Autarquia prepara projeto mas precisa de apoio financeiro para executar intervenção considerada urgente.
Rui Pando Gomes 22 de Março de 2016 às 12:37
Queda de pedras já obrigou a Proteção Civil a isolar zona junto a muralha
Queda de pedras já obrigou a Proteção Civil a isolar zona junto a muralha FOTO: Luís Forra/Lusa
É dos locais mais visitados do Algarve, com mais de 230 mil turistas por ano, mas a muralha da cidade está em risco iminente de colapso. A Câmara de Silves assume o "perigo para pessoas e bens" e a necessidade de intervenção "urgente", mas lamenta que a esta não seja considerada prioritária pela Direção Regional de Cultura do Algarve (DRCAlg).

O problema da degradação das muralhas da cidade arrasta-se há vários anos mas agravou-se, nos últimos meses, no setor poente, nas proximidades do edifício da Câmara de Silves, onde já se registou o desabamento de pedras, que obrigou ao isolamento do local por parte da Proteção Civil.

"É um dos locais mais visitados da região e está em causa a segurança das pessoas", assumiu ao CM a autarca Rosa Palma, que garante que o município tem já uma rubrica aberta no orçamento para reabilitar aquele setor da muralha, mas que não é suficiente para cobrir o custo total. A autarquia espera obter apoio do Estado através da DRCAlg.

"Vamos avançar com uma candidatura a fundos comunitários para a execução da obra, mas é preciso que a intervenção seja considerada prioritária para a região", explicou a autarca. Ao que o CM apurou, o projeto está fora da lista das intervenções consideradas prioritárias para a região enviada para a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve.


A diretora regional de Cultura, Alexandra Gonçalves, garante que a recuperação da muralha está no lote de monumentos que integrarão candidaturas a fundos comunitários até 2020. A dirigente sugere como hipóteses para o financiamento da obra o recurso ao Fundo de Salvaguarda do Património ou à verba gerada pela bilheteira do Castelo de Silves, que é o segundo monumento mais visitado do Algarve.
Ver comentários