Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Unidades familiares no Algarve vão aumentar em 2019

Durante o ano de 2018 abriram quatro espaços em Lagos, Faro, Albufeira e Portimão.
Rafael Duarte 6 de Janeiro de 2019 às 09:35
USF Portas do Arade começou a funcionar este ano dentro das instalações do Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
USF Portas do Arade começou a funcionar este ano dentro das instalações do Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
USF Portas do Arade começou a funcionar este ano dentro das instalações do Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Centro de Saúde de Portimão
Quatro novas Unidades de Saúde Familiar (USF) abriram as portas no Algarve durante o ano 2018. Para este ano, segundo o CM apurou junto de fonte da Administração Regional de Saúde (ARS) Algarve, "já foram apresentadas duas candidaturas, mas é expectável que sejam apresentadas ainda mais propostas".

A USF Amendoeira, em Lagos, a USF Golfinho, em Faro, a USF Sol Nascente, em Albufeira, e a USF Portas do Arade, em Portimão, permitiram "alargar a cobertura assistencial dos cuidados de saúde primários nestes concelhos e reforçar os cuidados de proximidade na região", revelou a ARS em comunicado.

Com estas novas quatro unidades, a região do Algarve conta agora com 18 USF em atividade (quatro no ACeS Barlavento; 10 no ACeS Central e quatro no ACeS Sotavento).

"O modelo das USF tem um potencial de mudança e modernização", defende o presidente da ARS Algarve, Paulo Morgado, que espera que a região volte a olhar para esta reforma dos Cuidados de Saúde Primários no Algarve "de maneira positiva".

O objetivo deste responsável pelo setor da saúde é "motivar os médicos" para que o número de USF volte a crescer. No seu entender, serão garantidos "cada vez mais e melhores serviços e de maior proximidade", caso seja atingido esse objetivo.

A ARS lembra que a contratação de médicos de medicina geral e familiar alcançou a taxa mais elevada de sempre no ano passado com 24 das 27 vagas colocadas a concurso para o Algarve a serem ocupadas.

A ARS destaca ainda que cerca de 89% da população do Algarve tem médico de família atribuído.
Ver comentários