Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Vilar de Perdizes volta a pôr os diabos à solta

Neste certame, os visitantes ficam a conhecer as diversas medicinas alternativas.
Secundino Cunha 25 de Agosto de 2018 às 10:10
Vilar de Perdizes acolhe, durante três dias, dezenas de especialistas do oculto, curandeiros, bruxos e cartomantes
Vilar de Perdizes acolhe, durante três dias, dezenas de especialistas do oculto, curandeiros, bruxos e cartomantes FOTO: Direitos Reservados
A mística aldeia de Vilar de Perdizes, no concelho de Montalegre, volta a debater o oculto em mais um Congresso de Medicina Popular, marcado para os dias 31 deste mês a 2 de setembro, ou seja, no próximo fim de semana.

Um evento que continua a gravitar em torno do criador, o padre Fontes, e que leva milhares de pessoas ao sopé do Larouco, onde, por estes dias, os diabos andam à solta.

O congresso, criado em 1983, quer, à XXXII edição, voltar a reforçar "o valor da medicina popular e o poder das plantas para combater doenças", ao mesmo tempo que pretende ser uma oportunidade de negócio para toda a região do Barroso.

Assim, ao longo de três dias, a longínqua aldeia de Vilar de Perdizes perde a pacatez e enche-se de gente oriunda dos mais diversos pontos do País e do estrangeiro, nomeadamente da vizinha Espanha.

No já tradicional congresso, misturam-se investigadores, especialistas de medicinas alternativas e doenças da mente, bruxos, curandeiros e até homens e mulheres que se dizem possuidores do dom do exorcismo, conhecidos por ‘enxota diabos’ ou ‘espanta espíritos’.

A par de uma espécie de feira, em que as tendas se abrem à venda de ervas medicinais, às cartomantes, aos bruxos, aos endireitas e especialistas nas mais diversas medicinas populares, há um congresso em que se debatem temas que vão do saber popular e das propriedades e benefícios das plantas, passando pelos vários ramos da espiritualidade e até das novas ervas medicinais.

O ‘herdeiro’ do padre Fontes, António Joaquim, pároco atual, diz que o objetivo é mesmo "fazer Vilar de Perdizes uma plataforma de medicina integral", ou seja, de "tudo aquilo que faz bem à saúde física e mental".
Ver comentários