Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

11 mil milhões em droga apreendida

Agência ‘secreta’ com sede em Lisboa coordena sete países.
João Carlos Rodrigues 30 de Outubro de 2017 às 08:43
Desde 2007, a ‘Maritime Analysis and Operations Centre - Narcotics’ participou na apreensão de 117,5 toneladas de cocaína
Polícia Judiciária
Desde 2007, a ‘Maritime Analysis and Operations Centre - Narcotics’ participou na apreensão de 117,5 toneladas de cocaína
Polícia Judiciária
Desde 2007, a ‘Maritime Analysis and Operations Centre - Narcotics’ participou na apreensão de 117,5 toneladas de cocaína
Polícia Judiciária
Desde que foi criada, em 2007, a ‘Maritime Analysis and Operations Centre - Narcotics’, uma agência internacional com sede em Lisboa que coordena o combate ao tráfico de droga em sete países europeus, já participou na apreensão de 117,5 toneladas de cocaína e 377,5 de canábis. No mercado, esta droga poderia valer mais de 11 mil milhões de euros.

A MAOC-N, sigla pela qual é conhecida a organização, junta especialistas de Portugal, Espanha, Itália, França, Irlanda, Holanda e Reino Unido, que a partir de uma localização ‘secreta’ em Lisboa agilizam a troca de informações entre as autoridades competentes dos vários países envolvidos, desde forças policiais ou alfandegárias a militares, sobretudo no Atlântico e Mediterrâneo.

No entanto, já houve casos de operações no Pacífico Sul, como em julho, que levaram a Marinha francesa a intercetar um navio na Nova Caledónia que tinha a Austrália como destino. Na altura, foram apreendidos 1400 quilos de cocaína com origem na América do Sul.

Dados divulgados pela agência revelam que 70 por cento dos casos investigados são participados por um dos países envolvidos na organização, mas a apreensão é feita por outro, com base na informação partilhada. Refira-se que a DEA (agência norte-americana) participa como observador na organização, tal como a Europol.

De acordo com os dados da MAOC-N, a maior parte da droga é traficada em veleiros, navios mercantes e pesqueiros.
Ver comentários