Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Quinze seguranças espalham terror em discotecas

Testemunhas descrevem violência às mãos do grupo.
Isabel Jordão 9 de Março de 2017 às 01:30
Tribunal de Leiria
Grupo criminoso está a ser julgado no Tribunal de Leiria
Tribunal Judicial de Leiria
Arguidos estão a ser ouvidos no Tribunal de Leiria
Tribunal de Leiria
Grupo criminoso está a ser julgado no Tribunal de Leiria
Tribunal Judicial de Leiria
Arguidos estão a ser ouvidos no Tribunal de Leiria
Tribunal de Leiria
Grupo criminoso está a ser julgado no Tribunal de Leiria
Tribunal Judicial de Leiria
Arguidos estão a ser ouvidos no Tribunal de Leiria
Uma das vítimas do grupo perigoso ligado a uma empresa de segurança, que está a ser julgado por, durante dois anos, ter lançado o terror ao espancar clientes de estabelecimentos de diversão noturna, na região Centro, contou ontem, no Tribunal de Leiria, as agressões de que foi vítima, a murro, com uma faca e um taco de basebol, quando estava junto a um bar e depois nas urgências do hospital, tendo ficado cega de um olho.

"Os dois bateram-me forte e feio, espetaram-me uma faca no rabo e eu fui-me abaixo, só me lembro de acordar no hospital", contou Edgar Santos, adiantando que "estava na maca" quando foi agredido de novo, agora por três homens, voltando a perder os sentidos.
Edgar Santos conseguiu identificar os dois seguranças que o agrediram junto ao bar Day Night, na Maceira Liz, mas já não foi capaz de dizer com clareza quem o esmurrou na cara, deixando-o cego de um olho, quando estava a ser assistido no hospital. "Quando abri os olhos tinha três pessoas à minha volta e ouvi um deles a dizer ‘foste tu que agrediste um dos meus homens?’, mas nem tive tempo de reagir, levei um soco no olho".

Noutra agressão, a vítima foi uma mulher, atingida com uma chapada na cara, e um amigo, junto ao bar Beat Club.
"Foi tudo muito rápido e sem qualquer razão, completamente gratuito", contou ontem Ana Margarida ao tribunal, adiantando que estava a sair do bar quando a confusão se instalou.

O grupo em julgamento é constituído por 15 seguranças, entre eles o proprietário da empresa Lexsegur, Paulo Miguel, e o irmão, Jonatas, que estão em prisão preventiva. Integra ainda o grupo um militar da GNR do Comando de Leiria. Estão em causa 50 crimes de ofensas à integridade física qualificada, tentativas de homicídio, coação e ameaças, entre outros.
Edgar Santos Paulo Miguel Ana Margarida Day Night Tribunal de Leiria crime lei e justiça GNR Comando de Leiria
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)