Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

200 guardas florestais contra o MAI

"A luta continua" foram as palavras de ordem para os cerca de duzentos guardas florestais que se manifestaram ontem à tarde em frente ao Ministério da Administração Interna, em Lisboa, para exigir melhores condições de trabalho. "Lutamos sobretudo por formação dentro da profissão, por cartões de identificação que nunca nos foram dados e por novos uniformes", explica Rui Raposo, da Federação dos Sindicatos da Função Pública.

26 de Maio de 2009 às 00:30
Guardas dizem-se discriminados
Guardas dizem-se discriminados FOTO: Bruno Colaço

Os guardas florestais, que integram desde 2006 o Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente da GNR, dizem-se discriminados. "Fomos abandonados", disse ao CM Afonso, um guarda que se deslocou de Bragança a Lisboa para a manifestação. Lutam ainda contra a diferença salarial, que ronda os 300 euros em relação a outros militares, apesar das funções serem equivalentes.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)