Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

24 DETIDOS EM TRÊS DIAS

“Nem queríamos acreditar. Num curto espaço de tempo, o alcoolímetro fartou-se de trabalhar”. Foi desta forma que um responsável policial resumiu ao CM a operação que a 4.ª Divisão da PSP de Lisboa levou ontem a cabo em vários pontos da cidade.
28 de Agosto de 2004 às 00:00
Num espaço de apenas três horas, os 70 profissionais de polícia envolvidos na acção detiveram 24 pessoas que conduziam com excesso de álcool no sangue.
Foram vários os locais por onde passou esta operação. Para além das zonas de habitual diversão nocturna, – Docas, Avenida 24 de Julho, e Rua da Cintura do Porto de Lisboa –, o efectivo da 4.ª Divisão assentou também arraiais, pelas 04h00 de sexta-feira, nos acessos à marginal Lisboa-Cascais.
E os resultados não se fizeram esperar. No decorrer da operação foram mandados parar várias dezenas de condutores. Finda a acção, 64 pessoas acusaram álcool no sangue, depois de soprarem no alcoolímetro.
Deste total, 24 conduziam mesmo com uma taxa de alcoolemia superior a 1,20, o que, à luz da lei, é crime.
“No final da operação, há ainda a registar a detenção de um homem que conduzia sem carta, e de outro que possuía documentos de um familiar”, acrescentou a mesma fonte.
SETE APANHADOS EM SETÚBAL
Em Setúbal, entre o final da tarde de quinta-feira, e a madrugada de ontem, a PSP deteve sete pessoas por vários motivos.
A primeira destas detenções ocorreu pelas 14h30 de anteontem, na Rua Rodrigo da Costa, quando um homem de 34 anos agrediu, em frente a um agente da PSP, a sua ex-mulher. Meia hora depois, no Largo Afonso Ventura, um homem de 20 anos foi apanhado com 75 doses de haxixe. Outro indivíduo foi ainda detido por conduzir sem carta.
Pelas 19h10 do mesmo dia, duas mulheres de 27 anos, e um homem de 36 anos foram levados pela PSP, por agressão a agente, consumando-se a última detenção às 05h45 de ontem, quando um homem de 33 anos foi apanhado com uma arma sem licença.
ADVOGADO NEM ANDAVA DIREITO
Os agentes da PSP que já estão habituados a participar em operações de fiscalização de trânsito, nem estranham. Mas, durante este tipo de acções, “é frequente verem-se pessoas a fazer figuras muito tristes”. As palavras são de um responsável policial, que contou ao CM a história de um advogado que, na madrugada de ontem, foi mandado parar pelos agentes da 4ª Divisão da PSP de Lisboa.
“Mal saiu do carro, reparámos logo que ele não estava bem. Mal se conseguia pôr em pé, e andava muito mal”, recordou. Como se esperava, o teste do alcoolímetro teve resultados reveladores. “Ele acusou mais de dois gramas de álcool por litro de sangue. Foi de imediato detido”, concluiu.
OUTROS ASPECTOS
ESTABELECIMENTOS
Em paralelo à operação de fiscalização de trânsito, os setenta agentes da 4.ª Divisão da PSP de Lisboa estiveram também ontem incumbidos de ‘abordar’ estabelecimentos de diversão nocturna. No final da operação, foram levantadas 23 infracções, motivadas, entre outros aspectos, pela falta de licença de funcionamento comercial.
MULHERES
A 30 de Abril deste ano, agentes da 4.ª Divisão da PSP de Lisboa realizaram uma operação semelhante. Naquela data, 85 profissionais da PSP saíram para a rua, centrando-se em vários dos principais locais de diversão nocturna. No fim da acção, mais de duas dezenas de mulheres foram detectadas a conduzir com álcool no sangue.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)