Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

3500 lisboetas festejam 440 anos de História

As manhãs são todas iguais para Clementina Lopes. Sai de casa ainda antes do nascer do sol, com o destino traçado: a Padaria Brilhante, na Rua da Conceição da Glória, em plena freguesia lisboeta de São José, onde trabalha há 14 anos. A tinta verde, que dá cor às portas do estabelecimento comercial, abertas pouco depois das seis da manhã, já foi comida pelo tempo. Apesar de não morar numa das mais antigas freguesias de Lisboa, que hoje comemora 440 anos, Clementina Lopes gosta do local onde trabalha. “É uma zona calma e já estou muito habituada. Conheço os clientes quase todos pelo nome.”
19 de Março de 2007 às 00:00
3500 lisboetas festejam 440 anos de História
3500 lisboetas festejam 440 anos de História FOTO: João Miguel Rodrigues
Recorda outros tempos, em que a agitação era diferente. “Havia muitos casos de droga, muita miséria. As pessoas tinham medo, mas agora melhorou.” Apesar de tudo, aponta o dedo aos mendigos, que enchem os bancos do jardim da Praça da Alegria, noutros tempos palco do descanso de famílias.
Um pouco mais à frente, Ramiro Alves, 67 anos, espreita pela janela. A casa, antiga, tem muitas histórias para contar, tantas quantas o proprietário, que habita na freguesia há 45 anos. Natural do distrito de Coimbra, trocou a terra pela capital e, depois da tropa, assentou arraiais na freguesia de São José, onde estão registados 3500 eleitores.
“É um sítio bom para morar”, conta ao CM. Recorda com nostalgia os primeiros anos de vida na zona que hoje não troca por nenhuma outra. “Havia uma maneira diferente das pessoas se relacionarem, de viverem. Agora é tudo mais distante.” Os vizinhos vão sendo cada vez menos, uma realidade que Alice, à beira dos 68 anos, confirma. “A freguesia está muito envelhecida. Não foge à regra do que se passa com grande parte da cidade”, avança confiante.
DAS HORTAS À AGITAÇÃO URBANA
Do Jardim do Príncipe Real ao Jardim do Torel, atravessando a Avenida da Liberdade, a freguesia de São José foi, há muitos anos, um vale de aspecto campestre, salpicado por hortas e quintas pertença de fidalgos.
Hoje, indiferentes à História, os lisboetas percorrem as ruas da freguesia, numa agitação igual à de todos os dias. Na Rua de São José, onde, segundo a História, foi, há vários séculos, fundada uma ermida dedicada a São José, o trânsito é grande: de carros e pessoas. O cheiro a naftalina irrompe da pequena retrosaria, que fecha as portas para mais uma hora de almoço. Já existe há muitos anos, mas não é do tempo em que o Cardeal D. Henrique, em 1567, criou oficialmente a freguesia onde está instalada. Numa transversal, a poucos metros da igreja, um placar anuncia os 440 anos que hoje se celebram.
ALGUEIRÃO É A MAIOR
Viver no coração de Lisboa, numa freguesia pequena, é bem diferente de morar em Algueirão-Mem Martins, distrito de Sintra. Os mais de cem mil habitantes (50 mil eleitores) conferem-lhe o estatuto de maior freguesia de Portugal, a que Manuel do Cabo, presidente da Junta, acrescenta outro. “É também a maior da Europa.”
As principais dificuldades têm a ver com a falta de meios. Mas há mais diferenças. As pessoas conhecem-se pouco, há muitos bairros que são núcleos fortes de dormitórios, de onde se sai para trabalhar de manhã cedo e onde só se regressa à noite.
POPULAÇÃO
População. Na freguesia de São José, uma das mais antigas de Lisboa, hoje é dia de festa. Celebram-se 440 anos de História, décadas de mudança e de testemunhos. Hoje, com pouco mais de 3500 eleitores, são mais os idosos que os jovens, mais os que por lá passam do que aqueles que optam por lá viver.
NOTAS
FESTA
A Igreja de São José dos Carpinteiros vai estar hoje aberta à população para a inauguração de uma exposição de fotografia de José Antunes, que ficará patente naquele espaço, e para um concerto do Quarteto de Cordas da Orquestra Sinfónica Juvenil.
MAPA
Ao todo, em Portugal, contam-se 4259 freguesias, 128 com menos de 150 eleitores. Destas, há ainda cerca de meia centena que não atinge os cem eleitores. No mapa nacional, destacam-se as freguesias rurais, que representam dois terços do País.
AS MAIORES
As vinte maiores freguesias concentram, juntas, qualquer coisa como 722 mil eleitores, quase o dobro dos inscritos para votar nos distritos alentejanos. Uma delas, a maior do País e da Europa, é a freguesia de Algueirão-Mem Martins, no concelho de Sintra (cerca de 50 mil eleitores). Seguem-se Odivelas (44 177) e Santa Maria dos Olivais, em Lisboa (43 867).
POUCOS ELEITORES
Na capital, são seis as freguesias com menos de mil eleitores: Mártires, Madalena (401), Castelo (539), Santa Justa (807), Sacramento (948) e Santiago (976).
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)