Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Agente da PSP constituído arguido por agressão a Cláudia Simões na Amadora

Carlos Canhas mantem-se em serviço.
João Carlos Rodrigues 10 de Março de 2020 às 14:37
Cláudia Simões
Cláudia Simões
Cláudia Simões
Cláudia Simões
Cláudia Simões
Cláudia Simões

Foi constituído arguido o agente da PSP acusado de ter agredido uma mulher, Cláudia Simões, na Amadora. 

Segundo informação avançada por fontes policiais e da Justiça ao Correio da Manhã, o Ministério Público entendeu que há indícios de agressão de Carlos Canha a Cláudia Simões durante a detenção da Mulher. O agente mantem-se em serviço.



O caso foi amplamente divulgado uma vez que foi partilhado um vídeo nas redes sociais que desencadeou a polémica. 

Cláudia Simões entrou com a filha de 8 anos no autocarro 163, junto à estação da Amadora, em janeiro. A criança esqueceu-se do passe e mais tarde, o motorista chamou à atenção a mulher e ao parar na Elias Garcia alertou um agente da PSP do que se passava. O que se seguiu foi gravado em vídeo por populares e Cláudia, de 42 anos, foi detida.

A mulher acusa o agente de agressões no carro-patrulha e alegou que temeu pela vida. O PSP foi mordido pela mulher. O processo está a ser investigado pelo Ministério Público, PSP e Inspeção-Geral da Administração Interna (a pedido do ministro Eduardo Cabrita). Cláudia e várias associações acusaram o agente de racismo. A PSP nega.

Cláudia Simões tem um passado de violência, embora sem detenções ou condenações. Em julho de 2017, o marido apareceu numa esquadra da PSP a dizer que ela o ameaçou matar "com uma facada". E que era frequente ser insultado e ameaçado.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)