Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Agressão mortal durou um minuto

A violenta agressão que levou Tiago Puga, de 19 anos, à morte, a 5 de Março de 2010, na Meadela, Viana do Castelo, durou pouco mais de um minuto. Assim que chegaram à beira de Tiago e do amigo Renato, que estavam à porta de um café, pelo menos três dos cinco arguidos atacaram-nos de imediato. A revelação foi feita por um cliente do estabelecimento, ontem, no debate instrutório.
20 de Outubro de 2012 às 01:00
António (no meio) e Hélder (à esq.) estão acusados da morte de Tiago
António (no meio) e Hélder (à esq.) estão acusados da morte de Tiago FOTO: Nuno Fernandes Veiga

"Durou um minuto, o tempo suficiente apenas para se tirar um café. Um dos elementos do grupo entrou, pediu que o servissem e quando a empregada se virou para lhe dar o café já tudo tinha acontecido. Eles fugiram e deixaram o Tiago no chão", recordou Manuel Baptista. A testemunha não teve ainda dúvidas e reconheceu os cinco arguidos: Paulo Gonçalves, dono de um talho - que, segundo o MP queria vingar-se dos jovens -, o seu irmão, Hélder, e ainda Nuno Gonçalves, António Cerqueira e Diogo Pereira, que deu o empurrão fatal.

Ontem realizou-se o debate instrutório. A defesa de quase todos os arguidos, à excepção do advogado de Diogo, pediu que não sejam julgados. O discurso dos advogados foi unânime quando se tratou de referir que nunca foi intenção dos arguidos provocar a morte. "Foi um azar, mas a verdade é que o Tiago e o amigo não eram meninos protegidos, causavam problemas", disse a advogada do arguido Nuno.

Já Eduarda Barbosa, que representa os pais de Tiago, classificou o crime como um "acto bárbaro e cruel". A decisão é conhecida dia 16 de Novembro.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)