Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Manuel Fernandes acusa Bruno de Carvalho: "Mandou-nos ir para a academia no dia do ataque"

Decorre hoje a oitava sessão de julgamento no Tribunal de Monsanto. Acompanhe ao minuto.
Sofia Garcia e Tânia Laranjo 3 de Dezembro de 2019 às 10:02
Bruno de Carvalho esteve esta segunda-feira no julgamento do processo de Alcochete
Bruno de Carvalho esteve esta segunda-feira no julgamento do processo de Alcochete FOTO: Pedro Ferreira
A oitava sessão do julgamento da invasão da Academia do Sporting em Alcochete decorre esta terça-feira no Tribunal de Monsanto. 

Recorde-se que esta segunda-feira, dia em que o responsável pela segurança na academia chegou ao Tribunal de Monsanto, Bruno de Carvalho regressou para ouvir o seu testemunho. Esta terça-feira, Bruno de Carvalho volta a estar presente.

Este foi um dos momentos chave deste processo, depois de Bruno Jacinto, que faz a ligação com as claques, ter dito que avisou Ricardo Gonçalves para a iminência do ataque.

Diversos elementos policiais deram conta que quando chegaram a academia foram proibidos de entrar, embora ainda se encontrassem atacantes no interior do espaço.

Acompanhe ao minuto:

16h21 -
Cintrão fala também da reunião de 14 de maio em Alvalade. "Bruno de Carvalho disse 'aconteça o que acontecer amanhã vocês estão comigo?!', disse o assessor de imprensa, acrescentando que ele próprio e o restante staff ficaram convictos de que o presidente se estava a referir ao despedimento de Jorge Jesus, por conta dos maus resultados. "No dia seguinte vi Jorge Jesus à tarde na academia e fiquei confuso", afirma.

15h43 -
Juíza dá até quinta-feira para os advogados se pronunciarem sobre o requerimento apresentado pelo advogado do Sporting para que os jogadores sejam ouvidos por videoconferência.

15h39 -
Paulo Cintrão, assessor de imprensa, começou a ser ouvido. "O balneário era a confusão total", disse.

13h39 -
O advogado do Sporting pede o afastamento de todos os arguidos enquanto os jogadores estiverem a ser ouvidos em tribunal, no caso do pedido de videoconferência não ser aceite pelo juiz.

13h11-
"Espero nunca mais ver uma coisa destas no Sporting", diz Manuel Fernandes.

13h01-
"Os jogadores tiveram o sangue frio de não reagir a certas coisas", informa o antigo diretor de Scouting.

12h58-
Os "jogadores ficaram estáticos e não reagiram a nada. E foi o melhor que fizeram para aquilo não ser pior", revela Manuel Fernandes.

12h42-
Manuel Fernandes afima que Bas Dost esteve "entre 10 a 15 minutos caído no chão".

12h39 -
Coordenador de scouting e antiga glória do Sporting acusa Bruno de Carvalho: "Mandou-nos ir para a academia no dia do ataque"

12h29 -
O coordenador de scouting disse que essa reunião com o staff) "Demorou para aí 20 minutos. O presidente disse: "Amanhã estamos todos na academia as 16h00 e aconteça o que acontecer estão todos comigo?", na altura pensei que era por causa do despedimento do treinador.

"Falou que ia estar na academia as 16. Eu pensei que o Jesus ia ser despedido. Nunca pensei em mais nada"

12h15 - 
Não vi o Fernando Mendes. Pedi ao Jesus para me ir embora, fiquei a sentir-me mal.B runo e André Geraldes chegaram hora e meia depois, já não estava lá ninguém", disse Manuel Fernandes.

"Vi o André Geraldes. O Bruno de Carvalho foi para um gabinete. O Geraldes perguntou o que se passou, não falámos muito", avançou. "Estive numa reunião na segunda-feira, o ataque foi terça. Reuniu com o staff. O Bruno reuniu com o staff. Estávamos todos", rematou.

11h52
- Manuel Fernandes, coordenador de scouting, relatou o dia do ataque: "Entraram muito mascarados. Disseram Manuel desvia-te, isto não é contigo".

"Vinham em fila. Não me lembro onde estavam os funcionários. Ainda tentámos impedir que entrassem mais, não conseguimos. Voltámos e fomos ao balneário. Passado três, quatro minutos, avançou.

"Alguns entraram com a cara descoberta, outros ficaram cá fora. Não entraram todos no corredor do balneário. Vi o Bas Dost com sangue na cabeça, deitado no chão. Estava alguém do posto médico a agarrá-lo. O Bas Dost estava a chorar. Vi muito fumo e ouvi gritos. Pedi para terem calma", recordou.

"Só o Bas Dost é que vi com sangue. Foi muito feio o que aconteceu".

11h47 -
A advogada Sandra Martins, que representa nove arguidos, entre eles Fernando Mendes, interpôs um requerimento a pedir a reconstituição dos factos, tal como a defesa de Bruno de Carvalho já tinha solicitado. 

11h15 -
Juíza irrita-se com defesa de Bruno. Uma hora depois do contra interrogatório a Ricardo Gonçalves, a juíza presidente do tribunal de Monsanto perdeu a calma.

"Faça perguntas. E não tente satisfazer os egos de alguns", disse a juíza, mostrando impaciencia com o tema Varandas. Miguel Fonseca ia insistindo que o então médico do Sporting, hoje presidente, estava a rir-se após o ataque. "Não me interessa o Dr. Varandas", continuou a juiza. "Vamos a factos", insistiu.

11h00 -
"Foi o disparar do alarme que abriu todas as portas, inclusive do balneário", disse Ricardo Gonçalves em tribunal.

10h26
- Bruno de Carvalho sentou-se bastante longe dos restantes arguidos - todos eles adeptos.

09h45 - Bruno de Carvalho também já chegou, acompanhado pelo seu advogado, Miguel Fonseca. Aos jornalistas, o advogado de Bruno avançou que acredita que o testemunho de Ricardo Gonçalves beneficiou o antigo dirigente leonino, sobre a reunião que decorreu um dia antes do ataque. "Aquela reunião simbolizou o que um líder faz numa guerra (referindo-se ao campeonato), ao perguntar quem estava com ele". Miguel Fonseca afirmou ter interpretado dessa forma as palavras e acredita que o coletivo pensa da mesma forma.

Depois, a defesa de Bruno de Carvalho falou sobre Frederico Varandas, atual presidente dos leões. "Onde estava o médico (no dia do ataque) que não foi visto durante duas ou três horas e só é visto numa imagem a rir? Quem é que num ataque se põe a rir?", questionou.

Miguel Fonseca avançou ainda que com este ataque, "alguém ganhou e alguém perdeu", dizendo que tem muitas questões a fazer a Varandas. Com base em insinuações, o advogado de Bruno garantiu que o seu cliente foi quem mais perdeu devido ao ataque.

09h40Fernando Mendes, ex-líder da Juventude Leonina, também está presente e encontra-se visivelmente fragilizado. Fez questão de assistir ao final do depoimento de Ricardo Gonçalves, chefe da segurança da academia leonina.

09h36 - Chegou Ricardo Gonçalves, diretor de operações e segurança do Sporting, que vai continuar a prestar testemunho.

"Quando ia à academia não me identificava, apenas avisava que ia", afirmou Fernandes Mendes, aos jornalistas.

09h32 - Manuel Fernandes, coordenador de scouting, já chegou ao Tribunal de Monsanto mas não quis falar aos jornalistas.
Varandas Alcochete Academia do Sporting Bruno de Carvalho Tribunal de Monsanto desporto futebol
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)