Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

MP pede condenação de Paulo Pereira Cristóvão e Mustafá por assaltos milionários a casas na Grande Lisboa

Magistrada considerou ter ficado provado que Pereira Cristóvão forneceu as informações sobre as moradas e os proprietários das casas assaltadas.
Miguel Curado 18 de Outubro de 2019 às 17:36
Nuno Mendes, conhecido por Mustafá
Paulo Pereira Cristóvão
Nuno Mendes, conhecido por Mustafá
Paulo Pereira Cristóvão
Nuno Mendes, conhecido por Mustafá
Paulo Pereira Cristóvão

O Ministério Público pediu esta tarde a condenação de Paulo Pereira Cristóvão e de Nuno Mendes, conhecido como Mustafá, pela prática, em co-autoria, dos crimes de associação criminosa.

Segundo a procuradora que acompanhou o processo que sentou no banco dos réus do tribunal de Cascais o antigo vice-presidente do Sporting e o chefe da claque leonina, e outros 15 arguidos, acusados de crimes como roubo, associação criminosa, sequestro, posse de arma proibida, violação de domicilio e usurpação de funções, os dois comandaram um grupo responsável por pelo menos dois assaltos milionários a casas (um concretizado em Cascais, e outro falhado em Lisboa).

Nas alegações finais, a magistrada considerou ter ficado provado que Paulo Pereira Cristóvão forneceu as informações sobre as moradas e os proprietários das casas assaltadas, cabendo a Mustafa e ao irmão, Paulo Santos (também arguido), a tarefa de selecionar os operacionais para a realização dos crimes. Nas duas situações participaram, como autores materiais dos crimes, os agentes da PSP Elói Fachada e Luís Conceição.

Assim, a procuradora defendeu a condenação de Pereira Cristóvão e Mustafá como mandantes, bem como dos restantes envolvidos, considerando que todos tiveram papéis enquadrados na tipificação do crime de associação criminosa.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)