Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Tribunal de Almada dá luz verde a dragagens no rio Sado

Projeto prevê a retirada de 6,5 milhões de metros cúbicos de areia para aprofundar o estuário do Sado até aos 13 metros.
Bernardo Esteves e Lusa 12 de Dezembro de 2019 às 19:09
Rio Sado
Rio Sado FOTO: CMTV

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Almada levantou esta quinta-feira a suspensão das dragagens no Rio Sado, que podem assim avançar a qualquer momento.

Segundo o Movimento SOS Sado, o Tribunal de Almada indeferiu o decretamento provisório da providência cautelar, levantando assim a suspensão dos trabalhos.

"Não concordamos com a interpretação do Tribunal, mas respeitamos a sua decisão, na certeza de continuar a pugnar para que a justiça portuguesa valorize a perspetiva de quem defende o património natural do país de forma desinteressada", refere uma breve nota de imprensa divulgada pela SOS Sado.

"Não deixamos no entanto de reafirmar o risco de arranque da obra a qualquer momento, pelo que apelamos às cidadãs e cidadãos que continuem a mobilizar-se na defesa do estuário do Sado", acrescenta o documento.

O Tribunal Administrativo e Fiscal de Almada suspendeu terça-feira o início das dragagens no estuário do Sado, mas sabia-se que a decisão poderia ser revertida, em função dos argumentos aduzidos pela APSS (Administração dos Portos de Setúbal e Sines) e/ou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

O navio-draga chegou a semana passada ao Porto de Setúbal e deverá agora iniciar a obra, que está a ser muito contestada devido aos riscos que acarreta para o ecossistema.

O projeto prevê a retirada de 6,5 milhões de metros cúbicos de areia para aprofundar o estuário do Sado até aos 13 metros e permitir a entrada de navios de maior porte.

Centenas de pessoas e diversas associações cívicas e de defesa do ambiente têm participado em diversas iniciativas de protesto e interpuseram várias providências cautelares contra as dragagens no estuário do Sado, que visam melhorar as acessibilidades marítimas ao porto de Setúbal, e que foram aprovadas pela APA.

No Tribunal Administrativo e Fiscal de Almada já entraram várias providências cautelares, de diversas associações que contestam as dragagens, mas, até ao momento, nenhuma impediu a continuidade do processo que visa permitir a entrada de navios de maior dimensão no porto de Setúbal.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)