Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Alunos vão ter Saúde

A Educação Sexual deve ser integrada numa área curricular de Educação para a Saúde, a qual será de carácter prioritário e obrigatório. Os alunos devem ser avaliados e classificados e os centros de saúde também são chamados a intervir.
3 de Novembro de 2005 às 00:00
Os conhecimentos na Educação para a Saúde serão avaliados
Os conhecimentos na Educação para a Saúde serão avaliados FOTO: Vítor Costa
As recomendações e propostas do grupo de trabalho coordenado pelo psiquiatra Daniel Sampaio estão disponíveis no ‘site’ do Ministério da Educação (ME) para consulta e discussão pública.
A ministra da tutela terá mostrado “grande receptividade” às propostas. Até ao final do mês deverá haver resposta.
PREVENIR O RISCO
A abordagem da educação para a Saúde – onde se integram as matérias relacionadas com a Educação Sexual – pretende melhorar a prevenção de comportamentos de risco – tabagismo, alcoolismo, consumo de drogas, comportamento sexual irresponsável.
Se nos 1.º ,2.º e 3.º Ciclos é necessário revitalizar conteúdos (ver caixa), para o secundário recomenda-se a criação de Gabinetes para os Alunos. Os estudantes de Medicina ou Enfermagem podem ajudar. “São excelentes agentes de prevenção pois é mais fácil aprender a sexualidade com jovens um pouco mais velhos”, considerou Daniel Sampaio. Em relação aos professores, “há muitos disponíveis para colaborar e com formação, mas estão hesitantes e inseguros”.
O grupo propõe que o ME termine em Dezembro os protocolos com as organizações que têm promovido acções na área da Educação Sexual, com valor anual superior a 176 mil euros. “Para quê pagar a organizações externas quando a escola e os professores são capazes?” Os Centros de Saúde também serão chamados – um médico ou enfermeiro deverá ir às escolas uma vez por semana.
A IMPORTÂNCIA DO CURRÍCULO
Com a revitalização obrigatória dos conteúdos curriculares nos três Ciclos de ensino o grupo de trabalho pretende que as escolas percebam a importância da Educação para a Saúde e se reorganizem.
Os alunos do 1.º Ciclo deverão adquirir competências pessoais e sociais, de prevenção da provocação/violência e de protecção da sua saúde. Em relação ao 2.º Ciclo a prevenção de riscos na área da sexualidade, consumos, comportamento alimentar ou educação para os afectos e sexualidade são alguns objectivos.
Para os do 3º. Ciclo a aposta vai para a protecção e prevenção de violência e abuso físico e sexual, promoção da saúde sexual e reprodutiva ou educação para os direitos do consumidor, entre outros objectivos.
RAZÕES E RISCOS
UM TERÇO FEZ SEXO
Daniel Sampaio citou vários estudos portugueses que indicam que 31,2 por cento dos jovens com 15 anos já teve relações sexuais, dos quais 8,8 não utilizou preservativo.
ÁLCOOL E DROGAS
Para reforçar a obrigatoriedade da aprendizagem da Educação para a Saúde, o Grupo de Trabalho apresentou vários dados: 32,2 por cento dos jovens com 15 anos consome tabaco todos os dias, 24 por cento já se embriagou, 12 por cento já consumiu droga e 19,4 já consumiu haxixe.
ESCOLAS TÊM UM MÊS
O Grupo de Trabalho comprometeu-se a acompanhar o processo até ao final de Maio de 2006. Já há dez escolas prontas a avançar com a concretização das propostas. Até 18 de Dezembro as escolas devem mostrar a sua disponibilidade.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)