Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Animais podem ir para o estrangeiro

O Movimento Internacional em Defesa dos Animais (Midas) alertou ontem para um aumento “preocupante” do número de animais de companhia abandonados no Grande Porto, adiantando que já optou por procurar adoptantes no estrangeiro.
30 de Março de 2007 às 00:00
Crise social leva os donos a abandonarem os animais de estimação
Crise social leva os donos a abandonarem os animais de estimação FOTO: d.r.
“Já mandei alguns para a Alemanha e para a Áustria, onde há outro respeito pelos direitos dos animais”, contou a dirigente do Midas/Matosinhos, Maria de Lurdes Rocha.
A generalidade das associações de acolhimento e tratamento de animais abandonados na região do Porto tem a sua capacidade esgotada, sendo esse o caso da Midas/Matosinhos, que alberga actualmente 150 cães.
Alguns amigos dos animais estão a tentar suprir essa lacuna, albergando em suas casas um elevado número de cães e gatos abandonados na via pública, em condições que a dirigente do Midas admite não serem as melhores.
Um dos casos é o de Benvinda Maria, habitante de Francelos, Gaia, que tem vinte cães na sua residência e confessa não saber o que lhes fazer, mas também não se conforma com a hipótese de os entregar ao canil municipal para abate.
Uma vistoria sanitária à habitação desta cidadã concluiu que não tinha condições “sanitárias” para albergar tantos animais, dando-lhe um prazo até ao final da primeira semana de Abril para os entregar para abate ou para adopção. Uma sua vizinha, que acolheu 12 cães, enfrenta o mesmo dilema.
“Estamos afeiçoadas aos animais e não queremos, de modo algum, que sejam abatidos. Mas também não conseguimos encontrar instituição que os possa acolher”, referiu Benvinda Maria. “A nossa esperança está nos apelos que algumas pessoas amigas estão a fazer pela internet no sentido de encontrar adoptantes”, diz.
RAZÕES
DESEMPREGO
A crise social que se sente na região do Porto, nomeadamente o desemprego, será uma das razões que explicam o crescente número de animais de estimação abandonados. Quando é necessário recorrer a poupanças forçadas, os animais são os primeiros a pagar a factura.
HABITAÇÕES
Outra situação que leva ao abandono de animais de companhia será o facto das famílias passarem de habitações térreas para pequenos apartamentos, onde é proibido ter animais.
VETERINÁRIOS
Maria de Lurdes Rocha, dirigente do Midas/Matosinhos, considera que os próprios veterinários municipais “contribuem” para a situação, porque geralmente “esquecem” a promoção da adopção dos animais, uma das suas obrigações legais.
Ver comentários