Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

"Meteram o Bas Dost a sangrar e a chorar": João Palhinha descreve horror em Alcochete

José Laranjeira, olheiro da equipa técnica de Jorge Jesus, é uma das testemunhas a ser ouvida hoje.
Correio da Manhã e Débora Carvalho 16 de Dezembro de 2019 às 10:32
Fachada do edifício do Tribunal Criminal de Lisboa em Monsanto
Fachada do edifício do Tribunal Criminal de Lisboa em Monsanto FOTO: Pedro Simões
As testemunhas arroladas no julgamento ao ataque a Alcochete regressam esta segunda-feira ao tribunal. Está a ser ouvido um dos membros da equipa técnica de Jesus, José Laranjeira, agora olheiro do Rio Ave.

Na sessão de hoje são ouvidos: José Laranjeiro (antigo diretor de scouting) e atual olheiro do Rio Ave; João Palhinha, futebolista que atualmente está emprestado ao Sp. Braga, e Gonçalo Rodrigues (funcionário também envolvido no 'Cashball'). 


Acompanhe ao minuto

17h14 -
Termina a sessão do julgamento esta segunda-feira. Amanhã, terça-feira, serão ouvidos Vasco Santos e os jogadores Acuña e Bataglia.

16h41 -
Questionado pelos advogados, Gonçalo Rodrigues afirma que as reuniões foram à tarde e que quando se soube da invasão, Geraldes e Bruno saíram juntos da reunião. Garante que a reunião de Bruno de Carvalho foi de surpresa.

16h38 -
"Nesse dia souve que o meu nome estava ligado ao Cashball. A minha fotografia estava a passar nas televisões...estive reunido com o Geraldes e os advogados do Sporting por causa das notícias. Estivemos reunidos até se saber da invasão", disse.

16h37 -
A procuradora questiona sobre a hora do treino e sobre dia 15 de maio. 

16h32 -
Continuam as questões a Gonçalo Rodrigues.

"Esteve com Geraldes?", "Sim, estive na reunião", avançou o técnico.

"O que falaram?". "Bruno perguntou se, independentemente de tudo, estavam com ele". "Percebeu o significado?". "Que o treinador ia ser despedido", disse.

16h25 -
Vai ser ouvida uma nova testemunha. Gonçalo Rodrigues, de 31 anos. "As minhas funções eram em Alvalade. Função de apoio aos atletas", disse Gonçalo.

"Quem conhece daqui?". "Bruno Jacinto, Mustáfa, Bocas, Guilherme Sousa", respondeu Gonçalo. "O diretor do departamento era André Geraldes. Partilhava sala com Bruno Jacinto". 

"Soube da ida dos adeptos?". "Não", respondeu.

"Deveria ter sabido?". "Não".

"Tinha uma boa relação com Jacinto?", questionou o advogado. "Sim", respondeu. "No dia 14 esteve com ele?", "possivelmente".

16h10 - "Quem fez aquele vídeo?", pergunta o advogado. "Não sei quem gravou", responde João Palhinha. 

16h09 - "Andou lá um a filmar e outro a fazer de realizador, quem filmou?", questiona o advogado. "Eu fiz um [vídeo]", responde o médio. "Foi esse vídeo que depois deu à CMTV?", volta a questionar a defesa de Bruno. "Não foi esse que fiz... fiz o vídeo em que o Bruno estava a vestir calções", responde.

16h02 -
Advogado do Bruno: "quero dizer-lhe que continua a ser um dos meninos queridos da equipa, tem consciência disso?". "Vá, vamos lá, adiante", pede a magistrada.

"Quantas claques tem o Sporting?", prossegue o advogado. "3 ou 4", responde o médio.

15h58 -
"Ele tinha cabelo ondulado. Teria a cabeça destapada", acrescenta a testemunha. 

15h57 -
Advogado do arguido Leandro Almeida questiona agora o médio do Sporting. Pergunta se havia fumo na altura em que, segundo João Palhinha, o seu arguido agrediu, alegadamente, Montero. O  médio diz que não.

15h16
- "Estávamos assustados , não sabíamos se tinham armas", afirma Palhinha.

15h15
- Procuradora termina interrogatório. É a vez da defesa.

14h55 -
João Palhinha diz ter visto Jorge Jesus e William a falar com Fernando Mendes. Este último estaria a pedir desculpa porque "não queriam fazer aquilo", revelou o médio. 

14h49
- "Meteram o Bas Bost a sangrar e a chorar", descreve o médio emprestado ao Braga. "Estava [Bas Dost] fora do balneário e foi o que levou primeiro", diz ainda.

14h40 -
Médio afirma ainda que os indivíduos encapuzados obstruíram a porta de saída e diz que ficou "parado" juntamente com os seus colegas. "Ficámos sem reação", conclui. João Palhinha confirma ainda ter visto tochas e cintos. 

14h39
- "O Jorge Jesus era o único que estava lá fora. Lembro-me de ele estar a sangrar no nariz. Estava muito nervoso", continua Palhinha. 

14h37
- "Quantos entraram?", questiona procuradora. "Eram mais do que nós, 40 ou 50", responde médio.

"Viu algum tentar acalmar os outros?", continua a procuradora. "Não, nenhum tentou evitar aquilo que se estava a passar", responde João Palhinha.

14h34 -
João Palhinha identifica agressor do dente de ouro: "Deu uma chapada ao Montero".

"Quando se estava a preparar para dar a outra eu meti-me... disse-lhe que era completamente desnecessário. Outro disse-me para tirar as roupas", continua. 

Recorde-se que Ristovski também apontou este homem, Leandro Almeida, como agressor no ataque de Alcochete. 

14h31 - "Vi o Montero lecar uma chapada e o Rui Patrício e o William levaram um soco no peito", descreve Palhinha. Procuradora questiona: "Quais eram as ameaças?"

"
Se não ganhássemos iam voltar", responde o médio. "Quantos se dirigiram ao Acuña e Bataglia?" questiona a procuradora. "Três ou quatro", responde o jogador do Sporting.

14h27 - Médio descreve como tudo nse passou: "Começaram aos socos aos meus colegas, houve muitas ameaças... Foi tudo muito intenso, desataram aos socos e pontapés"

14h25 -
"Começámos a ouvir barulhos, vimos pessoas de rosto tapado", começa por dizer. "Vi mandarem tochas e petardos contra os carros antes de entrarem, não deixavam fechar a porta", acrescenta. 

14h23 -
Procuradora pergunta se estava no balneário e o médio diz que sim: "Estávamos quase todos, faltava pouco tempo para o treino".

14h22 -
João Palhinha, jogador do Sporting emprestado ao Braga, está já a ser ouvido por videoconferência. 

11h15 -
Termina o testemunha do olheiro. João Palhinha será ouvido às 14h00.

11h14 -
Advogada de Elton Camará, mais conhecido por 'Aleluia', pede dispensa do seu cliente pois este encontra-se doente.

10h51 -
Advogado Miguel Fonseca [defende Bruno de Carvalho]: "Viu lá o funcionário Frederico Varandas?". Laranjeira responde que não.

"Viu lá alguém do staff médico?", volta a responder negativamente o olheiro.

10h50 -
Aníbal Pinto: "O indivíduo estava de cara tapada?"

"Não sei, não consegui ver", responde o olheiro.

10h49
- "Jorge Jesus estava a correr atrás de um indivíduo. Conseguiu agarrá-lo?", questiona Aníbal Pinto. José Laranjeira responde negativamente.

10h39 -
Terminaram as perguntas da procuradora e começaram agora as questões dos advogados.

10h19 -
O olheiro da equipa técnica de Jesus refere que os envolvidos no ataque de Alcochete lhe disseram que "não era nada" com eles.

10h13 -
"Entraram todos ao mesmo tempo. Vi o Bas Dost com ferimentos na cabeça", disse José Laranjeira em tribunal.

10h07 - 
José Laranjeira, olheiro da equipa técnica de Jorge Jesus no Sporting, está a ser ouvido.
Bas Dost José Laranjeira Jorge Jesus Academia de Alcochete Alcochete desporto futebol
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)