Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

ARRANQUE DE MÉDICO FATAL

Uma mulher de 45 anos morreu ontem, perto da 01h00, numa artéria do Bairro do Mira Serra, em Beja, após ter caído do veículo que o seu marido, um médico, conduzia. O incidente, em investigação pela Polícia Judiciária de Faro, ocorreu em condições não totalmente esclarecidas, após uma discussão entre o casal.
7 de Setembro de 2003 às 00:00
Segundo adiantou ao Correio da Manhã fonte policial, Maria Mestre teria tentado que o seu marido, Rogério Mestre, não saísse com o carro, um jipe Honda, pelo que se terá pendurado na viatura. O arranque do veículo terá provavelmente levado ao desequilíbrio da mulher, que acabou por bater com a cabeça no passeio, queda que lhe provocou a morte ao fim de poucos minutos.
Devido ao avançado da hora poucas foram as pessoas que presenciaram o sucedido, mas minutos mais tarde eram vários os populares que, estupefactos, assistiram ao desenrolar dos acontecimentos. Os filhos do casal, uma rapariga de 20 anos e um rapaz de 18, desceram de casa, perto da qual tudo se passou, assim que se aperceberam .
Cirurgião no Hospital da Beja há mais de cinco anos, o marido da vítima, que ficou em liberdade a aguardar os desenvolvimentos judiciais, foi sujeito a uma recolha de sangue para se apurar se tinha ou não álcool no sangue, uma vez que não conseguiu soprar no balão. Os resultados não foram ainda divulgados.
Maria Mestre, técnica de análises clínicas e de saúde pública, apresentava um quadro depressivo e teria problemas de álcool, de acordo com diversas fontes ouvidas pelo CM.
A PJ esteve em Beja ontem de madrugada e já ouviu Rogério Mestre e algumas testemunhas. Na cidade o caso é muito comentado, tanto ainda que o casal é bastante conhecido.
CASAL PARECIA DAR-SE BEM
No bairro onde moravam Maria e Rogério Mestre o sentimento era ontem de consternação e, em muitos casos, de estupefacção. Muitas pessoas só souberam do ocorrido durante a manhã e manifestavam-se chocadas.
Alguns populares que falaram ao Correio da Manhã, mas que não se quiseram identificar, lembraram a "forma carinhosa" como era normal ver o casal a chegar e sair de casa.
"Em tudo pareciam uma família normal. Fala-se agora de problemas dela com o álcool e há algum tempo que oiço falar nas depressões da mulher, mas era visível o cuidado e a preocupação que a senhora tinha com os filhos", revelou uma vizinha.
"Talvez o facto de a filha ter ido no ano passado estudar para Setúbal e de o filho ir este ano também para a universidade a fizesse sentir-se um pouco mais só", acrescentou.
Poucas vezes vista nos cafés do bairro, a falecida saía sobretudo acompanhada do marido.
DILIGÊNCIAS
AUTÓPSIA
O corpo de Maria Mestre está na morgue do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja. A autópsia deverá ser realizada pelos peritos do Instituto de Medicina Legal amanhã, após o que se poderá saber o que provocou a morte e ajudar a esclarecer este caso.
INVESTIGAÇÕES
Depois de realizar as primeiras diligências no local, a Polícia de Segurança Pública comunicou o caso à PJ, que tomou conta da ocorrência. Horas após o incidente foram ouvidos por agentes da Polícia Judiciária de Faro o marido da falecida e algumas testemunhas. Rogério Mestre, que aguarda o resultado das análises de sangue a que foi submetido, para despiste de álcool, está em liberdade.
APREENSÃO
O carro de onde caiu Maria Mestre, um jije Honda CRV, de cor preta, foi de imediato apreendido pelas autoridades tendo ontem à tarde ficado estacionado no parque da Polícia de Segurança Pública de Beja. A situação manter-se-á até ordem em contrário da Polícia Judiciária de Faro.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)