Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Arrombaram janela para furtar plasma

Um silêncio invulgar dominava ontem o interior da sede do Núcleo Desportivo e Cultural de Estói: durante a madrugada fora furtado o plasma, ‘trunfo’ da colectividade para animar o espaço recreativo, onde a transmissão televisiva dos grandes jogos de futebol é sinónimo de casa cheia. O roubo lesou o clube e fez aumentar o sentimento de insegurança na freguesia.
14 de Janeiro de 2007 às 00:00
Para além do equipamento televisivo, avaliado em cerca de 1500 euros, os ladrões roubaram ainda um telemóvel e 70 euros do fundo da caixa registadora, depois de arrombarem uma janela das instalações. Nas garrafas de bebida do bar e na máquina de tabaco carregada de moedas não tocaram.
“Ficámos sem a nossa jóia da coroa que comprámos com muito esforço, há seis meses. Era o que dava vida ao núcleo e juntava os associados”, lamentou ao CM o dirigente Ivo Luz, que já decidiu realizar um sorteio para angariar dinheiro e comprar outra televisão.
Ao que tudo indica, terá sido mais do que um indivíduo a actuar, uma vez que a fuga com a televisão roubada foi feita através de um muro com cerca de dois metros de altura. “Foram indivíduos que já conheciam o espaço e sabiam o que tínhamos cá dentro”, observa Emília Brito, que explora o café do espaço recreativo. Os ladrões tiveram o cuidado de fechar as cortinas para que ninguém se apercebesse do acto criminoso. A GNR tomou conta da ocorrência.
"PESSOAS ANDAM COM MEDO"
O medo começa a reinar em Estói, freguesia onde têm sido registados vários furtos nos últimos meses. Na quinta-feira, uma casa foi assaltada em pleno dia, na zona do Couro da Burra e, há 15 dias, um casal de estrangeiros foi assaltado por um indivíduo de cara tapada, no Cerro do Malhão.
No passado fim-de-semana as figuras do presépio foram queimadas à porta da igreja e já em Setembro passado tinham sido furtadas duas estátuas valiosas do Palácio de Estói. Segundo o presidente da Junta de Freguesia, José Paula Brito “as pessoas andam com medo”, sentimento que só será alterado se “aumentar o policiamento nas ruas e quando for reactivado o posto da GNR local”.
Ver comentários