Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

ASSALTANTES VOLTAM AO LOCAL DO CRIME

Continua a onda de assaltos a ourivesarias. Desta vez, o ‘palco’ foi o Centro Comercial de Massamá, onde, na madrugada de ontem, um grupo de três indivíduos, encapuzados e armados com caçadeiras, roubou todo o recheio de uma loja que, há pouco mais de um mês, já tinha sido devastada pelos gatunos.
23 de Março de 2003 às 00:23
Os ladrões voltaram ao Centro Comercial de Massamá. Assaltaram  uma ourivesaria e só as grades de protecção impediram o roubo de outra
Os ladrões voltaram ao Centro Comercial de Massamá. Assaltaram uma ourivesaria e só as grades de protecção impediram o roubo de outra FOTO: Tiago Sousa Dias
Tudo se passou pelas 03h30, altura em que no interior do Centro Comercial de Massamá apenas se encontrava o segurança de serviço. Parando a viatura em que seguiam junto à porta das traseiras do ‘shopping’, o grupo de encapuzados usou uma marreta para partir o vidro da porta, entrando assim no Centro.

Em poucos segundos os assaltantes depararam-se com o segurança de serviço que, perante a ameaça da caçadeira empunhada pelos gatunos, optou por correr para a casa-de-banho mais próxima, onde encontrou protecção.
Com caminho aberto para concretizar as suas intenções, os assaltantes não perderam tempo em dirigir-se à primeira ourivesaria. No entanto, acabaram por deparar-se com grades de protecção, instaladas pelo proprietário – contra a vontade da administração do Centro – depois do assalto que sofreu a 17 de Fevereiro.

Incapazes de abrir uma brecha na grelha de protecção do estabelecimento que queriam assaltar, os gatunos decidiram escolher outro alvo, concentrando-se na ourivesaria ‘Rosea Joalheiros’. Sempre sem qualquer obstáculo à sua acção, o grupo de encapuzados acabou por conseguir derrubar a porta do estabelecimento, recorrendo para tal a um pé-de-cabra.

Já no interior da loja, tudo se tornou mais fácil. Apesar de saberem estar a ser filmados pelo sistema interno de video da ourivesaria, os assaltantes não se acanharam, ‘limpando’ por completo todas as montras do estabelecimento, após o que se colocaram em fuga.

Alertado para a ocorrência pouco tempo depois, Carlos Santos, proprietário da ‘Rosea Joalheiros’, era ontem a imagem do desalento. Defronte dos destroços da porta da loja, o comerciante lamentou a “falta de segurança” do centro comercial, em especial depois de, a 17 de Fevereiro, a sua ourivesaria, e a de outro colega, terem sido igualmente assaltadas.

“Nesse roubo tive um prejuízo superior a 250 mil euros. E agora, apesar de ter sido um pouco inferior (225 mil euros), levaram-me todo o recheio que eu tinha na loja. Ouro, prata, jóias, tudo”, recordou.

Uma fonte da administração do Centro Comercial de Massamá, contestada pelos lojistas por não permitir a instalação de grades de protecção nas lojas, assegurou ao CM que o assunto está a ser tratado. “Não somos contra a instalação das grades de protecção, apenas queremos vê-las no interior das lojas”, acrescentou.

VAGA DE ASSALTOS

VIATURAS

Os últimos casos desta vaga de assaltos aconteceram a 5 de Março, na Damaia e Entroncamento. Os ladrões utilizaram automóveis para destruir as montras.

BABILÓNIA

Madrugada de 3 de Março. Um grupo de quatro encapuzados entra numa ourivesaria do Shopping Babilónia, na Amadora, roubando 350 mil euros em jóias.

DUPLO

O final da tarde do dia 26 de Fevereiro foi fatídico para dois ourives de Sines e Lisboa. No Alentejo, o proprietário, de 90 anos, ofereceu resistência
e ficou ferido.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)