Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Assassinada rainha do imobiliário

Conceição Farrajota estava deitada na casa de banho. À sua volta um mar de sangue: sinal claro de violência. Foi assim que a empresária de imobiliário, de 76 anos, foi encontrada, na noite de segunda-feira, no apartamento onde morava sozinha. Um rés-do-chão no nº 81 da avenida Infante Sagres, em Quarteira.
21 de Maio de 2008 às 11:00
O corpo de Conceição Farrajota foi ontem de manhã retirado do apartamento no número 81 da Avenida Infante Sagres, em Quarteira
O corpo de Conceição Farrajota foi ontem de manhã retirado do apartamento no número 81 da Avenida Infante Sagres, em Quarteira FOTO: Sandra Sousa Santos

O homicídio terá ocorrido no sábado, dia em que Conceição falou a última vez com uma familiar. Nesse dia, o carro que a vítima tinha sempre à porta – um BMW azul – já lá não estava. Terá sido levado pelo homicida.

"Como não vi o carro e estava tudo fechado, pensei que ela tinha ido a algum lado", contou ao CM Palmira Silveira, 79 anos, amiga da vítima, que não a viu todo o fim--de-semana.

Conceição acabou por ser encontrada pelo filho Jorge que, na segunda-feira, estranhou a falta de notícias. Ao ir ao prédio viu sinais de assalto e comunicou o facto à GNR. Foi acompanhado pelos militares que entrou na casa. "Só a vi estendida no chão, mais nada", recorda. Os guardas, ao depararem-se com o cenário, afastaram-no do local.

O homicida terá partido o vidro da portadaruapara conseguir entrar no prédio. Depois forçou um cadeado e arrombou a porta do apartamento. A casa estava desarrumada, aparentemente remexida. Ainda não se sabe, no entanto, o que terá sido levado pelo assassino.

A idosa apresentava ferimentos na cabeça mas "a causa da morte só será conhecida com o resultado da autópsia", explicou fonte ligada à investigação. A principal suspeita das autoridades, no entanto, aponta para que se tenha tratado de um homicídio com o roubo como móbil.

CASA SERVIA DE ESCRITÓRIO

O apartamento onde Conceição Farrajota foi encontrada funcionava, também, como escritório de imobiliário. É natural de Loulé, onde está registada a sede da empresa que tem o seu nome. No entanto, há cerca de trinta anos que residia em Quarteira. Muito conhecida na localidade, esteve sempre ligada aos negócios em imobiliário.

Actualmente ainda mantinha vários apartamentos e moradias – a maioria na zona de Quarteira ou no concelho de Loulé – que estavam colocados no mercado, tanto para venda como para aluguer, especialmente nos meses de Verão. Também o filho, Jorge, tem negócios nessa área, mas alia o imobiliário à construção.

Conceição Farrajota era viúva e já tinha igualmente perdido um filho, num acidente de automóvel, há alguns anos, em Almancil.

CINCO EQUIPAS DA PJ DE FARO NA INVESTIGAÇÃO

Durante toda a manhã de ontem homens do Laboratório de Polícia Científica estiveram a analisar exaustivamente o apartamento onde Conceição Farrajota foi encontrada morta, em busca de pistas. Por volta das 13h00 saíram do imóvel com alguns sacos na mão onde estaria o material recolhido. A porta do prédio e a do apartamento foram também inspeccionadas em busca de impressões digitais.

"Estamos no meio da investigação", referiu ao CM fonte da PJ, sem querer adiantar se há qualquer suspeito ou alguma pista sobre a autoria do crime. "Ainda é muito cedo para se dizer o que quer que seja sobre o que aconteceu", explicou.

Cinco equipas da Polícia Judiciária de Faro, a quem a investigação foi entregue, estão a trabalhar no terreno, em busca de pistas que conduzam ao assassino. Também são esperados os resultados tanto da autópsia como dos exames que vão ser realizados ao material recolhido no interior do apartamento para se chegar a uma conclusão sobre o caso.

PORMENORES

SANGUE LOCALIZADO

No apartamento, só foi encontrado sangue na casa de banho. As restantes divisões da habitação estavam apenas desarrumadas.

RESULTADOS HOJE

A autópsia ao corpo de Conceição Farrajota foi realizada, ontem, no Hospital de Faro. Os resultados do exame são esperados hoje pela investigação.

FILHO SUSPEITOU

Antes de chamar a GNR, Jorge Farrajota foi ao apartamento da mãe. Como viu o vidro da porta do prédio partido e a porta do apartamento arrombada, decidiu chamar a GNR antes de entrar.

CORPO GUARDADO

Na noite de segunda para terça--feira o apartamento ficou à guarda da GNR de Quarteira. Só ontem é que as equipas da Judiciária foram ao local fazer a recolha de indícios. O corpo apenas foi retirado do apartamento, pelos Bombeiros de Loulé, na manhã de ontem, cerca das 11h00.

Ver comentários