Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Assassinou a mulher

Rosa Maria Costa Tomé, natural e residente em Quarteira, teve uma vida infeliz e, aos 48 anos, uma morte trágica. Foi assassinada à facada, na madrugada de quarta-feira, cerca das 02h00, presumivelmente pelo companheiro, identificado como Manuel, de que tem uma filha de nove anos, a viver presentemente com os avós paternos.
29 de Setembro de 2006 às 00:00
Otília Costa e Alieta Rodrigues nunca aprovaram a relação do casal
Otília Costa e Alieta Rodrigues nunca aprovaram a relação do casal FOTO: Raúl Coelho
A mulher tinha sete filhos e o marido costuma gabar-se de dormir com uma faca debaixo da almofada.
“Nessa noite, estiveram no café até cerca das 23h30, depois de um dia inteiro a discutir, como era hábito e tive que os pôr na rua para poder fechar a porta”, contou ao Correio da Manhã Vítor Silvestre, dono do café OK, que fica paredes meias com o quarto que o casal habitava, na rua Marco do Fontanário, em Quarteira.
Habituado às queixas de Rosa Maria, que acusava o companheiro de a agredir. Vítor Silvestre ouvia Manuel gabar-se de “andar com uma faca”, que amiúde exibia. O que se passou dentro da modesta habitação pouco se sabe.
Apenas que duas horas e meia depois do casal entrar em casa, Rosa Maria apareceu na rua, toda ensanguentada, a pedir ajuda.
Quando o INEM chegou, chamado pelos vizinhos, Rosa Maria já estava praticamente morta, sucumbindo a várias facadas no tórax. No quarto, o mar de sangue na cama, paredes e chão demonstravam a brutalidade das agressões.
Manuel fugiu do local mas foi detido durante a tarde pela Polícia Judiciária de Faro, em Albufeira.
Otília Costa, mãe, e Alieta Rodrigues, irmã da vítima, estavam ontem inconsoláveis. “Teve uma vida infeliz e escolheu mal o último companheiro”, reclamou Otília Costa, que nunca aprovou a relação entre a filha e o presumível homicida.
A vítima trabalhou durante vários anos em copas de restaurantes de Quarteira. Actualmente estava desempregada.
O homem foi presente a tribunal mas ao fim da tarde de ontem desconheciam-se as medidas de coacção aplicadas ao suspeito pelas autoridades judiciais.
Ver comentários