Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

ASSOCIAÇÃO PERIGOSA

Grávidas obesas podem dar à luz crianças com o dobro do risco de virem a sofrer com excesso de peso. A novidade, publicada na última edição do jornal científico 'Pediatrics', volta a colocar as formas arrendondadas no centro das atenções. E não é para menos - há muito que a obesidade deixou de ser apenas um problema de âmbito estético. Crise grave ou epidemia, tornou-se mesmo sinónimo de um problema ao qual nem os mais novos escapam.
13 de Julho de 2004 às 00:00
Os cuidados com a alimentação devem ser uma prioridade constante, mesmo durante a gravidez
Os cuidados com a alimentação devem ser uma prioridade constante, mesmo durante a gravidez FOTO: Tiago Sousa Dias
Para quem tem dúvidas, os números falam por si. Estima-se que, em todo o Mundo, cerca de onze por cento das crianças sofram de obesidade. Portugal não é excepção e há estudos que apontam o nosso país com o segundo da Europa com maior número de casos.
Uma realidade que, na opinião de Carlos Oliveira, membro da direcção da Adexo, Associação de Doentes Obesos e Ex-obesos de Portugal, tem vindo a adquirir um estatuto perigoso de círculo vicioso. "Cada vez mais se ingerem alimentos, como as pipocas, e se bebem regrigerantes com gás, que vão dilatando o estômago, provocando o seu aumento. E quanto maior estiver, mais necessidade se tem de comer..."
Apesar dos avisos, os mais novos continuam a prestar pouca atenção à balança. Procuram-se as razões e há muito que se fala numa possível relação entre hereditariedade e obesidade para explicar o aumento dos números. E este novo estudo associa-a pela primeira vez ao excesso de peso durante a gravidez, o que pode querer dizer também que a obesidade maternal tem capacidade de afectar, de alguma forma, o desenvolvimento da criança dentro do útero.
Certezas não há, mas para Alexandra Pinto, Presidente da Associação Portuguesa de Nutricionistas, esta é uma informação importante, mas muito negativa. "A realidade já é dramática e se a obesidade da mãe pode condicionar a do próprio filho antes deste nascer, ainda mais se torna."
EXEMPLO DOS PAIS É DECISIVO
"Se uma mulher engorda durante a gravidez, isso não acontece por causa da água que bebe", afirma Custódio César, nutricionista. E acrescenta que para evitar os quilos a mais durante a gestação, nada melhor do ter atenção aos excessos.
Prevenção torna-se, desta forma, palavra de ordem e nunca parece ser cedo demais para começar. Alexandra Pinto concorda e refere que na solução para o problema, o papel dos pais torna-se decisivo. "As crianças procuram o exemplo e aprendem muito através dele. Quando em casa convivem com hábitos e estilos de vida pouco saudáveis, é difícil tentar convencê-las a regerem-se por regras diferentes", explica.
De acordo com a Presidente da Associação Portuguesa de Nutricionistas, é urgente pôr fim a esta epidemia, o que passa por uma conjugação de esforços entre os diferentes agentes sociais.
Ver comentários