Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Aumento de cota antecipa recolha de atum

Direção dos Recursos Naturais e Polícia Marítima controlam.
Ana Palma 4 de Agosto de 2016 às 08:27
Esta semana já foram retirados cerca de 100 atuns das armações, com uma média de 240 quilos cada um
Esta semana já foram retirados cerca de 100 atuns das armações, com uma média de 240 quilos cada um FOTO: D.R.
Desde a semana passada que atuns-rabilho estão a ser recolhidos das armações instaladas ao largo da Fuseta e Barril. A ação foi este ano antecipada (só costuma ser realizada em outubro) pelo facto de a cota nacional de atum ter sido aumentada em 20 toneladas, o que levou os produtores a começarem a retirar os animais para o mercado nacional.

O controlo da captura de atuns-rabilho está a ser feito pela Direção-Geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, com a cooperação da Polícia Marítima e da Estação Salva-Vidas de Olhão.

A ação mais recente decorreu terça-feira, no Barril, referiu ao CM o comandante Pedro Nunes Ferreira, da Capitania do Porto de Olhão. "Os atuns são alimentados nas armações e esta semana já foram retirados cerca de 100, com uma média de 240 quilos cada", adiantou.

A presença das autoridades destina-se a controlar o número e o peso dos atuns que são apanhados nas armações, de forma a que a cota nacional, que este ano ascende a 332 toneladas, seja cumprida, explicou ainda Pedro Nunes Ferreira, acrescentando que, no próximo ano, a cota será de "mais 50 toneladas".

A intervenção da Polícia Marítima incide tanto nas armações de atuns-rabilho como no Porto de Pesca de Olhão, quando os barcos chegam da faina. "É provável que, uma vez atingida a cota prevista, o resto dos atuns que se encontra nas armações tenha de ser libertado", sublinhou o mesmo responsável da Capitania de Olhão.
Ver comentários