Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Bancário burlão vai ser extraditado

Camilo José Ambrósio Pereira Coelho – o ex-gerente do Banco Totta & Açores de Seia, que em Setembro de 2003 fugiu para o Brasil após uma burla de dez milhões de euros à instituição – vai ser repatriado esta semana para Portugal. Poderá ser condenado a 12 anos de cadeia por fraude, falsificação de documentos e lavagem de dinheiro, diz o pedido de extradição emitido pelas autoridades portuguesas.
28 de Fevereiro de 2006 às 00:00
O ex-bancário, de 42 anos, andou fugido à Justiça portuguesa durante onze meses, até que a PJ emitiu um mandado de detenção internacional. Acabou por ser apanhado, em Agosto de 2004, na cidade de Maricá, Rio de Janeiro.
Quando a Interpol o localizou, Camilo Coelho preparava-se para casar. Sabia que a legislação não permitia a extradição de cidadãos brasileiros ou casados com brasileiros. Se casasse com uma brasileira, não o podiam obrigar a regressar a Portugal, onde deixou a mulher – professora e então deputada municipal pelo PSD – e a filha de oito anos.
O burlão ficou preso na cadeia Ary Franco. Inicialmente, foi anunciado que o seu processo de extradição demoraria entre 18 a 40 dias. Mas o advogado do ex-gerente bancário, Marco Antônio Gouvêa de Faria, alegou “ausência de provas da sua participação nos delitos ora examinados”. O pedido de renuncia à extradição, por parte da defesa, não foi aceite pelo Supremo Tribunal Federal, que ordenou a extradição na passada semana.
A fuga de Camilo Coelho começou logo após o Banco Totta & Açores de Seia, onde era gerente, o ter dispensado das suas funções por suspeitar de irregularidades. As suspeitas confirmaram-se e a entidade bancária apresentou queixa-crime.
Durante os quatro anos que ali trabalhou, Camilo Coelho, considerado por todos um excelente profissional, aliciou advogados, comerciantes, construtores , todos clientes ‘endinheirados’, a aplicar o dinheiro em produtos que o banco geria no estrangeiro. Depois desviava o dinheiro para a sua conta: somou dez milhões de euros.
REGRESSO BEM ACEITE
Se chegasse hoje a Seia, o gerente bancário acusado de fraude financeira “seria bem recebido por todos”, afiança um morador que tem acompanhado o processo. Logo que foi descoberto o alegado desfalque, o Banco Totta & Açores assumiu as suas obrigações perante os clientes que estavam documentados em relação às importâncias entregues na instituição. “Os que não tinham documentos, calaram-se e não falam mais nisso”, adiantou. Como o bancário sempre gozou de boa reputação junto dos habitantes de Seia, “não há um sentimento de revolta”. Caso ele venha a ser julgado no Tribunal da cidade, “poderá haver concentração popular, mas apenas por curiosidade”, concluiu.
FUGAS PARA O BRASIL
O CASO DE FÁTIMA
Fátima Felgueiras fugiu para o Brasil, em 2003, quando soube que seria detida no âmbito de uma investigação da PJ, que dava conta de um ‘saco azul’ na Câmara de Felgueiras. A dupla nacionalidade (portuguesa e brasileira) permitiu-lhe regressar, por vontade própria, no ano passado.
PADRE FREDERICO
O padre Frederico Cunha, brasileiro, foi condenado em 1993 a 13,5 anos de cadeia pelo homicídio e por homossexualidade tentada de um rapaz de 15 anos, na Madeira. Cinco anos depois, o sacerdote evadiu-se da prisão de Vale de Judeus e fugiu para o Brasil. Diz-se inocente e até dá entrevistas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)