Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

'BANHO SANTO' RENDE UM ANO DE LAVOURA

Impelidas pelos pais ou por banhistas da terra, centenas de crianças cumpriram ontem em S. Bartolomeu do Mar, Esposende, o ritual do 'Banho Santo', na tentativa de eliminar os medos, assim como "esconjurar todas as doenças e malefícios do diabo". Os adultos aproveitam também para repetir uma série de ritos para afastar eventuais efeitos demoníacos.
25 de Agosto de 2003 às 00:00
José Ramiro já levou crianças à água por 20 escudos, mas ontem cobrou 5 euros a Jesus Emanuel
José Ramiro já levou crianças à água por 20 escudos, mas ontem cobrou 5 euros a Jesus Emanuel FOTO: Rui Moreira
Graças a esta tradição festiva, milhares de fiéis encheram S. Bartolomeu do Mar, cuja população local aproveitou para rentabilizar da melhor maneira esta tradição festiva.
Os agricultores limparam os campos das habituais culturas para disponibilizar espaços de estacionamento a cinco euros por dia.
"Este fim-de-semana, deu para ganhar mais do que todo o ano na lavoura", reconheceu Conceição Pereira Lima, perspectivando reunir, pelo menos, mil euros, apesar de se queixar que "este ano houve menos gente", por causa da Festa da Senhora da Agonia, em Viana do Castelo.
Junto ao mar, José Ramiro - mais dois colegas - foi pegando nas crianças e fê-las mergulhar na água, também por cinco euros cada.
"Comecei a fazer isto há quase 35 anos, na altura eram 20 escudos e até era preciso ter uma licença, tantos eram os homens do mar, mas agora poucos querem isto e até preferem dedicar-se ao estacionamento, que dá mais", disse o banhista, que acredita no efeito do banho para curar medos, más influências e até doenças como a 'gota'. Ontem levou à água crianças vindas, pelo menos, dos concelhos de Esposende, Viana do Castelo, Ponte de Lima e Gondomar.
Rosa Maranhão, com 34 anos, também tomou o 'Banho Santo' quando era criança e diz que "até resultou". Por isso, ontem levou o filho, Jesus Emanuel, de quatro anos e meio, a cumprir o mesmo ritual, na esperança de que perca "alguns medos, sobretudo de estar sozinho à noite, no escuro".
De resto, a localidade de S. Bartolomeu do Mar encheu-se muito cedo de milhares de fiéis, para uma festa cujas origens remontam ao século XVI. Logo que o sol começou a raiar, a igreja paroquial e os percursos de ligação até à praia ficaram repletos de pessoas oriundas de diferentes pontos do País, desde o Porto a Trás-os-Montes, e até da Galiza, assim como de comerciantes das habituais guloseimas, brinquedos e recordações.
Segundo a lenda, todos os anos, no dia 24 de Agosto, o diabo - simbolizado num cão atrelado à imagem de S. Bartolomeu - anda à solta, só voltando ao mar quando anoitece. Por isso, durante o dia, as crianças tomam banho nas águas 'puras' e, sobretudo, gélidas do Atlântico a fim de serem curadas de males como medo, gaguez ou epilepsia.
Além disso, crianças e adultos pegam numa galinha preta ao colo, dão três voltas à igreja de S. Bartolomeu e passam - também três vezes - por baixo do andor florido que se encontra no interior do templo e que à tarde, com o cão atrelado, vai na procissão até à areia, onde é feito o sermão, perante milhares de pessoas que aproveitam para gozar um dia de praia.
UMA QUESTÃO DE FÉ
'TENHO MUITA FÉ NO SANTO' (Clarice Vieira, 63 anos, reformada)
"Fui eu quem convenceu a minha filha a trazer hoje o meu neto ao banho santo, porque tenho muita fé em S. Bartolomeu. O meu neto é perfeitinho, mas nunca se sabe. O diabo tenta muita gente e, às vezes, um mau olhado vem de quem menos se espera. É verdade que ele chorou um bocado, mas todos choram. É como que a libertar os demónios todos cá para fora. Nós quando estamos com problemas e soltamos uns gritos também ficamos melhores interiormente e libertámo-nos de muito mal".
'CRIANÇA FICA MAIS FORTE' (Pedro Moreira, 33 anos, engenheiro)
"Trouxe o meu filho Guilherme, de 3 anos, ao banho, para ver se ele perde alguns medos, sobretudo da noite. O meu pai garante que fez o mesmo comigo e que resultou. Acho que um banho nesta água fria torna a criança mais forte e desperta. Independentemente de sermos supersticiosos ou não, o mais importante é termos a abertura suficiente para não acharmos que só nós é que estamos certos. Pelo que me informei, este banho produz até bons resultados nos miúdos".
'CUREI DORES NA PERNA' (José Pinto, 53 anos, reformado)
"Vou todos os anos ao banho, logo pela manhã. Hoje eram 07h00 e já estava a mergulhar. Claro que tem de ser rápido, porque a água é muita fria, mas o mais difícil é quando se entra. Tem de ser de uma só vez. Depois, a gente até se sente melhor e mais forte. Se cura ou não algumas doenças, isso também tem muito a ver com a fé. No meu caso, até já curei de uma perna de que andava sempre a mancar e também sarei de dores nas costas".
TRADIÇÃO NA FOZ
O tradicional cortejo de papel, incluído nas festas de S.Bartolomeu, na Foz do Douro, Porto, voltou ontem a encher de cor, mais uma vez, as principais ruas da freguesia, terminando com o habitual banho na Praia do Ourigo. O tema central do cortejo foi o património artístico e cultural da cidade, no qual participaram as associações e colectividades da freguesia. A particularidade deste evento que o torna mais atractivo é o facto dos participantes se vestirem com trajes de papel coloridos, que se desfazem com o banho de mar, o qual este ano voltou a ser presenciado por milhares de pessoas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)