Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Barcos mais seguros

Os pescadores de Cabanas e Santa Luzia, no concelho de Tavira, deverão em breve deixar de ter razões para recear que as sua embarcações sejam projectadas para terra quando há temporal. Isto porque o Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM) decidiu finalmente avançar com o concurso público de empreitada de construção dos portinhos de pesca das referidas localidades, nos quais tenciona investir cerca de dois milhões de euros, com o apoio de fundos comunitários (Programa Maris).
18 de Novembro de 2007 às 00:00
Embarcações de pesca misturadas com as de recreio dificultam navegação
Embarcações de pesca misturadas com as de recreio dificultam navegação FOTO: direitos reservados
“Há mais de 20 anos que as comunidades piscatórias de Santa Luzia e Cabanas lutam pela construção de pequenos portos de pesca onde possam fundear com segurança as suas embarcações”, referiu ao Correio da Manhã o presidente da Câmara Municipal de Tavira, Macário Correia.
O autarca espera que “seja desta” que as obras se concretizem, até porque “os projectos respectivos estão feitos há vários anos e os concursos já foram lançados mais do que uma vez, mas acabaram por ser suspensos”.
DIFICULDADES
“A Câmara insistiu várias vezes com o IPTM para que o instituto desse andamento ao processo, mas sem resultado”, adiantou Macário Correia, que esclareceu ainda haver também em Santa Luzia “várias centenas de pescadores artesanais”, cujos barcos se encontram actualmente “espalhados pelos canais, misturados com embarcações de recreio, o que cria dificuldades à navegação”.
Além disso, “quando há mau tempo, com ondulação e vento forte, assiste-se por vezes a factos que, noutras circunstâncias, seriam insólitos: há barcos que são atirados para terra e vêm ter quase à marginal, ou alguns que se viram por não haver um porto de abrigo que os acolha e proteja”, salientou o autarca.
Em Cabanas, a comunidade piscatória está reduzida “a escassas dezenas de elementos”, mas a necessidade de um pequeno porto de pesca é aí “igualmente imperiosa”, sob pena de pôr em risco a continuidade daquela actividade ancestral na localidade.
Macário Correia garantiu ainda que caberá à autarquia de Tavira “fazer a integração de ambos os portinhos com as zonas ribeirinhas das respectivas povoações, em termos urbanísticos”.
PORMENORES
SANTA LUZIA
No portinho de pesca de Santa Luzia vão ser investidos 900 mil euros IVA. O projecto prevê dragagens para obtenção de fundos de serviço (cerca de 40 700 m3 de dragados), instalação de posto de acostagem em flutuação e pontes metálicas. Serão também colocadas redes de água, combustíveis e de electricidade (junto à Docapesca e à rampa) e de combate a incêndios. O prazo de execução é de oito meses.
CABANAS
Em Cabanas, o custo do portinho de pesca – a ser construído também em oito meses – ascenderá a 970 mil euros IVA. Além de dragagens para obtenção de fundos (cerca de 6 800 m3), serão feitas terraplanagens e construída uma rampa de varadouro. Vão ainda ser feitas obras de pavimentação, retenção marginal e instalado um posto de acostagem, bem como redes de saneamento, água, electricidade e combustível.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)