Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

‘Barricado’ vai continuar preso

Carlos Marinho, o homem que em 2008 se barricou no Tribunal de Gaia, onde ameaçou e sequestrou uma juíza com uma pistola de alarme, foi ontem condenado a três anos e meio de prisão pelo Tribunal de S. João Novo, no Porto.
24 de Outubro de 2009 às 00:30
Carlos Marinho ameaçou magistrados e vários funcionários da secretaria do Tribunal de Família e Menores
Carlos Marinho ameaçou magistrados e vários funcionários da secretaria do Tribunal de Família e Menores FOTO: GISELA CARIDADE

A maioria dos factos que constam da acusação ficaram provados. No entanto, inicialmente o arguido estava acusado de cinco crimes de sequestro mas o colectivo, constituído por três juízes e quatro jurados, decidiu condená-lo apenas por um. O sequestrador terá ainda de pagar uma coima de 600 euros por posse ilegal de arma.

Para a Defesa, nem tudo foi desfavorável a Carlos Marinho já que o tribunal optou pela absolvição dos crimes de coacção a órgão institucional e de ameaça agravada. O advogado, Pedro Mendes Ferreira, não compreende, no entanto, por que não foi atribuída a suspensão de pena – situação possível quando é inferior a cinco anos. "Fiquei surpreendido. Vamos analisar bem o acórdão e ver se vale a pena recorrer. Faz-me confusão que seja condenado por um crime de sequestro e pelos outros não", disse ao CM.

Em Maio de 2008, Carlos Marinho invadiu o Tribunal de VN Gaia com uma pistola e um engenho alegadamente explosivo, exigindo a resolução de um processo de regulação de poder paternal que o impedia de ver o filho há mais de um ano.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)