Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

BASTONADAS NA ORDEM

Os advogados estão na recta final para a eleição do seu próximo bastonário, mas a transparência do processo está a suscitar inúmeras suspeitas. António Marinho, um dos candidatos à sucessão de José Miguel Júdice, assume as críticas e acusa o actual bastonário de “falta de isenção” e “apoio descarado a um dos candidatos”. Quem?, pergunta-se. “João Correia, obviamente.”
26 de Novembro de 2004 às 00:00
José Miguel Júdice rejeita as críticas de falta de isenção
José Miguel Júdice rejeita as críticas de falta de isenção FOTO: Jorge Godinho
Como resposta, José Miguel Júdice diz que tem “uma vida digna e transparente”. “Tenho 55 anos e não é qualquer pessoa que me injuria. Não tenho nada a dizer a não ser lamentar certo tipo de coisas que me desgostam.”
Por trás destas críticas estão as novas regras para o processo eleitoral, designadamente a recepção e contagem dos votos por correspondência. Este ano, os boletins são inseridos em envelopes com a identificação do respectivo remetente. Quer o nome do advogado, quer o número da sua cédula profissional devem estar bem visíveis no exterior da carta.
VOTOS PARA O LIXO
Os envelopes são depois enviados para os sete conselhos distritais da Ordem. São recebidos pelos funcionários e abertos pelo secretário, na presença de delegados das três listas candidatas. Aparentemente, o problema está no funcionário que recebe a correspondência. Pelo menos é essa a mensagem de António Marinho.
“Quem estiver a receber os envelopes, pode perfeitamente rasgá-los e deitá-los para o lixo. E depois? Como é que eu provo que votei?” As críticas de António Marinho ganham forma ao acusar a máquina eleitoral de seu adversário de campanha João Correia.
“Os funcionários dos conselhos distritais de Porto, Coimbra, Évora e Madeira são todos apoiantes de João Correia”, refere o advogado de Coimbra, recordando que, em Lisboa, essa função está a cargo de Cristina Salgado, secretária-geral do bastonário José Miguel Júdice.
Além das críticas à falta de transparência do acto eleitoral, António Marinho debruça-se também sobre o tipo de apoiantes de João Correia, nomeando designadamente dois advogados do escritório do actual bastonário que integram a lista do seu adversário: Cruz Vilaça e Farinha Alves.
O principal visado por estas palavras, João Correia, diz não perceber o porquê de tantas acusações. “As regras do processo eleitoral foram definidas numa reunião entre o bastonário e os três candidatos”, referiu ao CM. Quanto aos funcionários dos conselhos distritais acusados de boicotar a recepção dos votos, o candidato diz desconhecer quem são e como foram escolhidas para essa funcão. “É confusão, seguramente.”
Face às dúvidas levantadas por outros advogados relativamente à transparência do processo, os responsáveis da Ordem emitiram ontem um comunicado onde referem que se encontra “totalmente assegurado o sigilo do voto por correspondência”.
Os advogados – cerca de 23 mil – vão a votos no próximo dia 3 de Dezembro. Está de saída José Miguel Júdice, eleito em Dezembro de 2001. Ganhou a corrida contra Carlos Candal e Laureano Santos e sucedeu no cargo a António Pires de Lima.
PERFIS
ANTÓNIO MARINHO
António Marinho tem 54 anos e exerce advocacia desde Julho de 1987. Apesar de ter as suas origens no Porto, foi em Coimbra, na Rua João Ruão, que montou escritório. Paralelamente, tem exercido a profissão de jornalista, sendo actualmente colaborador do semanário ‘Expresso’. Como jornalista já foi director da ANOP (Agência Noticiosa Portuguesa) na Madeira e na região Centro. Foi também director da Lusa no Centro.
António Marinho já fez parte dos órgãos dirigentes da Ordem dos Advogados, tendo sido eleito, em 2001, pela lista do actual bastonário. Saiu por divergências várias. Foi destituído da presidência da Comissão de Direitos Humanos, na sequência de uma intervenção polémica sobre a Magistratura, e renunciou ao cargo de membro do Conselho Geral, por conflitos com o actual bastonário. Apresenta-se a votos pela Lista B.
JOÃO CORREIA
João correia tem 59 anos é o mais chegado de todos os candidatos ao actual bastonário. Neste momento, ocupa o cargo de vice-presidente da Ordem. É o advogado número 3487, tendo-se licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra. Já representou a Ordem em várias comissões que analisaram, designadamente, a revisão do Código de Processo Civil e a reforma do Código de Processo de Trabalho.
Já foi igualmente membro da Comissão de Legislação da Ordem dos Advogados (1990/1992) e membro do Conselho Geral (1996/1998). Fez ainda parte da Comissão de Legislação da Ordem. João Correia é o candidato da Lista C e promete reestruturar a profissão e aproximar a advocacia dos cidadãos. Oficialmente terminou ontem a sua campanha. João Correia tem escritório na Rua Pinheiro Chagas, em Lisboa.
ROGÉRIO ALVES
Rogério alves tem 43 anos e é o candidato mais novo que se apresenta na corrida a bastonário. A sua licenciatura foi certificada pela Universidade Católica em Julho de 1984. É advogado desde 1987. Actualmente preside ao Conselho Distrital de Lisboa da OA. O seu nome soltou para a ribalta com o processo Casa Pia, tendo contribuído para esclarecer os meandros jurídicos que envolvem o caso da pedofilia. O seu grande trunfo para este sufrágio é precisamente a simpatia que granjeou entre os órgãos de Comunicação Social.
Apesar de ter sido eleito nas listas de José Miguel Júdice, Rogério Alves já integra os órgãos dirigentes da OA desde 1993. Esteve dois anos como vogal do Conselho Distrital de Lisboa e foi membro da Comissão Nacional de Estágio. Rogério Alves é o candidato da Lista A e tem escritório na Estrada da Luz, em Lisboa.
AGENDA
HOJE
ANTÓNIO MARINHO
Reunião com advogados (18 horas, instalações da OA em Santarém)
JOÃO CORREIA
Lançamento do seu livro ‘Afirmar a Advocacia’ (17 horas, Universidade do Algarve)
ROGÉRIO ALVES
Apresentação da candidatura em Vila Real (14h30), Amarante (16 horas) e Gondomar (18 horas)
Ver comentários